Uruguai: como o coronavírus atingiu o esporte no país vizinho
Publicado em 27/03/2020

Esportes

Foto: Reprodução/FS

Estádio Centenário abriga 28 pessoas em vulnerabilidade até o fim da pandemia

A ordem geral de evitar aglomerações em função da pandemia de coronavírus afetou diversos setores da sociedade pelo mundo todo. A realização de eventos esportivos foi praticamente toda suspensa, já que esse tipo de atividade envolve várias pessoas. No Brasil, os principais campeonatos de diversas modalidades foram suspensos e não tem uma nova data para realização. Enquanto isso, atletas aguardam definições e novas orientações, tentando manter a rotina de treinamentos na medida do possível e, sobretudo, mantendo a saúde em dia. Ao redor do mundo, vários desportistas já tiveram o diagnóstico positivo para Covid-19. Kevin Durant e Paulo Dybala são apenas dois dos nomes mais conhecidos que estão nessa lista. O Brasil também tem alguns esportistas infectados, assim como nosso vizinho, o Uruguai. A reportagem do jornal Folha do Sul traz um levantamento sobre a situação no país que está de portas fechadas tentando conter a disseminação do vírus.
Até o fechamento desta edição, o Uruguai contabilizava 217 casos positivos da doença, espalhados em oito departamentos (estados): Canelones, Colonia, Flores, Maldonado, Montevideo, Rocha, Salto e Soriano. No caso de nossos vizinhos, a curiosidade é que pelo menos a metade dos casos surgiram a partir de um. Se considerarmos os números de habitantes no Uruguai, cerca de 3,2 milhões, o número de contágio é relativamente alto se comparado a outros países. A rápida disseminação do vírus chamou a atenção das autoridades em saúde do país, que começaram a investigar o surgimento da doença. Ficou constatado que boa parte dos casos positivos foi contraída por meio de Carmela Hontou, de 57 anos. A decoradora é uma figura muito conhecida na alta sociedade uruguaia, que adoeceu após ir duas vezes para a Europa. Ao voltar, mesmo apresentando sintomas, ela compareceu a um casamento em Carrasco, com cerca de 500 convidados. A partir daí, a doença começou a se espalhar na região metropolitana de Montevidéu e as autoridades do país, inclusive, estudam formas de responsabilizar Carmela judicialmente pelos contágios.
Para conter o avanço, o presidente Luis Lacalle Pou adotou uma série medidas, entre elas está o fechamento das fronteiras terrestres com países vizinhos e quarentena para as pessoas com mais de 65 anos, pois, de acordo com o último censo realizado no país (2011) 14,1% da população está nessa faixa etária, fazendo parte do grupo de risco. Porém, as medidas se estendem a toda à população, incluindo a comunidade esportiva. Seguindo a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), todos os eventos que envolvam aglomerações estão suspensos. Isso provocou o cancelamento de shows e demais atividades culturais e também interrompeu a realização de campeonatos nas mais diversas modalidades. 
Assim como no Brasil, por lá o futebol é o predileto da população. O Campeonato Uruguaio foi suspenso com apenas três rodadas disputadas. Como a doença está se espalhando rapidamente no país, a Associação Uruguaia de Futebol (AUF) não estabeleceu uma data para que a bola volte a rolar. A decisão de paralisar todos os torneios aconteceu no dia 14 de março. Até então, a AUF tinha optado por fazer os jogos com portões fechados, mas com a confirmação dos primeiros casos de Covid-19 no país, a entidade adotou medidas mais drásticas. No entanto, a maioria dos diagnósticos positivos se concentra na região de Montevidéu, de onde vem praticamente todos os times que disputam o campeonato (com exceção do Cerro Largo, que é de Melo). 
Por falar nos arachanes, assim como os demais clubes, o time dispensou os jogadores por pelo menos 10 dias. O prazo se encerra no dia 30 de março. Assim que terminar esse período, caso a situação não esteja normalizada, o que deve ocorrer, os jogadores entrarão no sistema "seguro de paro", que é uma espécie de seguro-desemprego que eles dispõem. Situação parecida acontece com a Copa Nacional de Seleções, que envolve as seleções de cada departamento. A diferença é que este campeonato já estava entrando na fase final.
Como as atividades esportivas estão paralisadas, surgem algumas iniciativas para amenizar a situação do país frente ao coronavírus. O Estádio Centenário abriu as portas desde quarta-feira para receber moradores de ruas e portadores de necessidades especiais. A ação é do Ministério de Desenvolvimento Social do país com o objetivo de abrigar pessoas que estejam no grupo de risco. A estrutura recebe pessoas imunodeficientes por doenças crônicas, como diabetes, HIV e problemas respiratórios, que vivem nas ruas ou em abrigos. O local também abriga idosos. Com capacidade para 28 pessoas,  para eles, a área destinada fica abaixo de uma das arquibancadas, onde há um ambiente de dois andares, geralmente, usado pelos times para concentração. Ali, há cozinha, salas de jantar e de estar, banheiros e quartos. A previsão é que essas pessoas permaneçam ali durante toda a pandemia, recebendo quatro refeições por dia.
Mas nem só de futebol vive o Uruguai. Basquete, ciclismo, boxe, rugby e hockey também são outros esportes que fazem sucesso por lá. Todos estão paralisados.

Casos positivos
Assim como os demais setores da sociedade uruguaia, o esporte também tem casos confirmados de Covid-19. Um deles é de Pedro Bordaberry, que foi presidente interino da AUF até maio de 2019 e preside o Montevideo City Torque, time de futebol. Ele teve o diagnóstico confirmado e cumpre isolamento domiciliar. "No início, pensei que poderia ser dengue. Estou isolado sem ver ninguém desde que senti os sintomas. Estou cuidando isso, com zero contato. Espero não ter infectado ninguém", afirmou em um vídeo divulgado pelas redes sociais. Bordaberry também foi ministro de Turismo e Esportes do Uruguai entre 2003 e 2005.
Há, pelo menos, outros três casos de coronavírus positivo nos esportes uruguaios. Trata-se de uma jogadora de hockey do Old Girls e dois jogadores de rugby, um do Penarol e outro do Los Teros, este último sendo da seleção nacional. Todos os clubes haviam orientado os jogadores a cumprirem quarentena. Mesmo assim, os três compareceram ao casamento em Carrasco, onde estava Carmela Hontou, apontada como umas principais responsáveis pelo surto de coronavírus no país. Os nomes dos atletas não foram divulgados.

Deixe sua opinião