Um setor que gera emprego, renda e turismo
Publicado em 14/01/2019

Editorial

Uma das maiores potencialidades econômicas da região da Campanha, sem dúvida, é a viticultura. Essa é uma cadeia que vai muito além da produção da uva nos parreirais, pois ela envolve, além de cultivo da fruta, a industrialização do vinho e fomenta o turismo. É um setor que transformou os campos do Pampa Gaúcho, que hoje não deixam nada a dever em termos de produção e qualidade de vinhos e espumantes para a região da Serra – celeiro da vitivinicultura do Rio Grande do Sul.
Nos próximos dias começa a colheita da uva branca. Isso significa geração de emprego e renda, pois movimenta toda a cadeia produtiva. De acordo com informações do site oficial da Associação Vinhos da Campanha, as  vinícolas sócias estão localizadas entre os paralelos 29º e 31º Sul, numa altitude de 100 a 300 metros. Esta região, que faz fronteira com Uruguai e Argentina, representa a segunda maior produtora de vinhos do Brasil. Numa área de 44 365 km2, compreende os municípios de Aceguá, Alegrete, Bagé, Barra do Quaraí, Candiota, Dom Pedrito, Hulha Negra, Itaqui, Lavras do Sul, Maçambará, Quaraí, Rosário do Sul, Santana do Livramento e Uruguaiana.
A exuberância dos parreirais e toda a produção de vinhos e espumantes são um espetáculo à parte. Ver todo esse processo é uma experiência marcante. É com foco em todo esse potencial turístico que os donos das vinícolas da região têm apostado em programações diferenciadas nesses locais. A Vinícola Peruzzo promoverá um evento no dia 2 de fevereiro, que tem como público-alvo as crianças. É uma oportunidade para que desde pequenos conheçam todo o processo que envolve essa cadeia. A Guatambu em Dom Pedrito, no mesmo dia, proporcionará aos visitantes uma experiência no mundo da vitivinicultura, com passeio guiado pelos vinhedos.
A viticultura é uma das maiores riquezas da região da Campanha – é um setor que contribui não só economicamente, mas como atrativo turístico para os municípios que apostam nessa cultura, como é o caso de Bagé.

Deixe sua opinião