Tarifa: uma oportunidade de debate
Publicado em 20/10/2015

Editorial

Considerado o estopim para as manifestações que atingiram o Brasil, ainda em 2013, a elevação da tarifa de ônibus é tema constante das pautas de veículos de comunicação sempre que o assunto começa a ser ventilado. E de maneira igualitária em todos os municípios, até porque envolve cada comunidade de maneira direta.
Em Bagé, especificamente, o assunto começou a ser questionado, de forma mais efusiva, nos últimos anos. A população, em especial através de lideranças de movimentos estudantis, passou a buscar mecanismos para reverter os aumentos decretados pelo Executivo. Ou, ao menos, reduzir os percentuais aplicados – que, em sua maioria, utilizavam como justificativa a valorização dos combustíveis. O que, em alguns momentos, culminou em respostas positivas da administração municipal.
Este ano, para se ter um exemplo recente, os embates foram fortes. O tema adentrou o meio político e até causou atritos entre colegas partidários. Mesmo assim, a elevação de 25 centavos foi aplicada após o Conselho Municipal de Trânsito Urbano e Rural (Comtur) aprovar o indicativo de R$ 2,75 sugerido pelo município. E, mesmo com o descontentamento de muitos, a medida atendeu o que prevê a legislação local.
Mas, para os próximos períodos, a realidade pode ser um pouco diferente. Proposta aprovada ontem, pelo plenário da Câmara, determina que, a partir de agora, qualquer elevação da tarifa do transporte coletivo passe a exigir a concordância do Legislativo. Ou seja, haverá – se a lei vier a ser sancionada – um novo procedimento a ser desenvolvido que, ao longo de sua tramitação, oportunizará à população opinar sobre os índices apresentados.
Bem, pode até ser que a discussão não resulte em aumentos menores, mas pode servir para que os serviços prestados pelo sistema de transporte passem a atender novas demandas, qualifiquem-se cada dia mais e, assim, justifiquem com mérito o aumento que vier a ser aplicado.
É a oportunidade para debate. O resultado só pode vir a melhorar.

Deixe sua opinião