Diretor do IGP teria criticado Executivo ao apontar morosidade na elaboração do projeto
Sônia Leite e Pedro Westphalen têm audiência no IGP sobre Centro Regional de Perícias
Publicado em 19/12/2012

Política

Foto: Divulgação/FS

Representantes bageenses em reunião com a Secretaria de Segurança do Estado, como tema a implantação do Centro Regional de Perícias

Na manhã de segunda-feira a vereadora Sônia Leite e o deputado estadual Pedro Westphalen (ambos do PP)  cumpriram agenda junto à  Secretaria de Segurança do Estado para tratar da implantação do Centro Regional de Perícias em Bagé. A reunião contou com a presença do diretor do IGP, Cláudio Teixeira Gomes, e do perito criminal e supervisor técnico Jackson Dombrowski. Na oportunidade o perito apresentou a cópia dos e-mails encaminhados ao setor de Gerência de Desenvolvimento Urbano (Gidur) da Caixa Econômica Federal solicitando oficialmente os problemas técnicos do projeto que foi reprovado pela instituição financeira. Munida de uma pasta contendo todos os documentos e reportagens veiculadas sobre o assunto e acidentes com vitimas fatais ocorridos no município, Sônia questionou as informações divulgadas pelo Executivo, que apontavam que as próximas tratativas para garantir a implantação do projeto seriam através da Estratégia Nacional de Segurança Pública nas Fronteiras (Enafron). O diretor explicou que é uma possibilidade muito remota, já que a Enafron não possui nenhuma rubrica na área da construção. “Estamos aguardando um pronunciamento oficial da Caixa Econômica Federal no qual sejam apontados as pendências no projeto, para tentar obter novamente a aprovação de novos recursos”, explica. O diretor foi enfático ao falar que a morosidade inicial do Executivo na elaboração do projeto foi um dos pontos que levaram o município a perder a verba.
  Abrangência Segundo Gomes, o Estado tem enorme interesse em concretizar a obra, que irá atender 11 municípios da região, e terá Bagé como polo do Instituto para Aceguá, Candiota, Caçapava do Sul, Dom Pedrito, Herval do Sul, Hulha Negra, Lavras do Sul, Piratini, Pedras Altas e Pinheiro Machado. O complexo do IGP abrigará um posto de identificação, um posto médico legal e um posto de criminalista. Para  Westphalen, que viabilizou o encontro no IGP, a reunião foi produtiva e esclarecedora, porque finalmente foi possível encontrar os reais motivos da demora na execução do projeto. O parlamentar também se disse mais confiante em relação ao apoio do governo estadual. “Nossa preocupação era sobre o real interesse do Estado na manutenção desse projeto e hoje tivemos a palavra do diretor geral do IGP de que o Estado tanto tem esse interesse quanto está também correndo atrás e tentando resolver todos os entraves”, considerou.  

Deixe sua opinião