Se o campo vai mal, a cidade sente os reflexos
Publicado em 12/03/2020

Editorial

Em razão da estiagem que afeta todo o Rio Grande do Sul, a situação se torna dramática para o campo e a lavoura. A produção primária é a locomotiva do planeta – sem o alimento produzido no campo, ninguém vive. Essa consciência todos têm que ter.

A falta de chuva está provocando quebra em todas as culturas, é um efeito dominó que tem reflexo direto nas gôndolas dos mercados e, consequentemente, na mesa do consumidor. O assunto tem sido tema frequente de reportagens nas páginas do jornal Folha do Sul. As principais culturas que são as fontes de economia da região estão seriamente afetadas pelas adversidades do clima. A uva sofreu quebra, a oliva teve perda de quase 50% e um dos carros-chefe da região de Bagé, a soja, já está com uma perda de 40% a 50% na lavoura. Nos municípios de abrangência da Associação dos Agricultores da Região da Campanha – Agricampanha (Bagé, Aceguá, Hulha Negra, Candiota, Pedras Altas e Lavras do Sul), o prejuízo estimado é de R$ 310 milhões com a quebra na safra da oleaginosa. E o problema tende a se agravar ainda mais, se não chover nos próximos dias.  Até água potável já está em falta em algumas localidades da zona rural da Rainha da Fronteira. Os anos passam e faltam políticas públicas para enfrentar essa situação que é cíclica todos os anos. São necessárias atitudes governamentais que solucionem esse problema, já que ele se repete ano a ano e as perdas são monumentais. Não bastam apenas ações paliativas por parte dos governos. O assunto tem que ser encarado de frente  – não só quando o problema se atravessa e não há nada mais a fazer. Sobretudo, na região da Campanha, que tem como esteio da economia a agricultura e a pecuária. Com prejuízos imensuráveis desses, é dinheiro que não circula e a cidade empobrece. Na edição de hoje, o leitor pode conferir os relatos de produtores que participaram, ontem, da segunda edição do dia de campo, promovido pela Agricampanha; além de outra reportagem que fez um levantamento sobre a estiagem nos municípios vizinhos de Bagé.

Deixe sua opinião