Salários mais altos e falta de vagas levam bageenses a trabalhar fora da cidade
Publicado em 01/05/2013

Geral

Foto: -

Cabanheiro diz que preferia ficar perto da sua família

Na data em que se comemora o Dia do Trabalhador, alguns bageenses contam as suas histórias de trabalho - a maioria delas se passa fora da cidade. O foco está na procura de reconhecimento, melhor remuneração e falta de postos de emprego. A decisão de sair do município, apesar de proporcionar uma vida melhor à família, traz consigo a saudade.
O trabalhador rural, Valdonei Brochado, de 26 anos, é cabanheiro. Para conquistar uma renda melhor, ele aceitou uma vaga de trabalho em Encruzilhada do Sul. Segunda-feira vai começar as suas novas funções longe da esposa e filhos, que passará a ver uma vez por mês. “A minha família fica aqui, é difícil. Se tivesse emprego bom na cidade eu ficaria”, argumenta. Apesar de ter que ficar longe dos parentes, ele diz que gosta da sua profissão. Entre as suas atividades estão: escovar, dar banho e preparar os animais para as exposições.
O pedreiro Ademilson Peres da Silva, que está de emprego novo, diz que a falta de opções e, principalmente, de valorização, faz com que os profissionais não fiquem na cidade. “Aqui tem vaga, mas o salário é muito baixo”, diz. Ele explica que a diferença da remuneração chega a ser de R$ 800 em relação a Rio Grande, onde vai trabalhar. No estaleiro, Silva terá alojamento e as refeições pagas pela empresa. Além de passagem de ônibus para visitar os seus familiares quinzenalmente. “Não adianta estar perto da família e ver eles passando necessidade”, conta. Há mais de uma década exercendo a profissão, o pedreiro relata que trabalhou em diversas cidades do Estado, sempre procurando melhores salários. “O ruim dessa busca é a saudade”, pondera. 
Cristian Alves Soares, pedreiro, que também vai trabalhar na cidade portuária, assim como os demais trabalhadores, está saindo de Bagé e deixando mulher e filho. “As empresas de Bagé pagam muito pouco, por isso os trabalhadores não ficam aqui”, explica.  A sua expectativa é poder oferecer uma melhor condição de vida para os seus entes. “Eu quero dar uma vida melhor para minha família e para mim”, conclui.

Deixe sua opinião