No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Rifa para ajudar Cauã a realizar o sonho de ser jogador
Publicado em 23/10/2019

Esportes

Foto: Divulgação/FS

Garoto recebeu elogios pela habilidade com a bola

O bageense Cauã Palácio Miranda, de 10 anos, pode realizar o sonho de virar um jogador da base do Clube de Regatas Flamengo. Isso porque ele está indo para a terceira fase de testes no clube rubro-negro no dia 4 de novembro. Contudo, para isso, ele precisa de ajuda na locomoção até Curitiba, onde é realizado o teste. Então,  a família está vendendo uma rifa com diversas premiações no preço de R$ 2. Entre elas:  uma cesta básica, óculos, caixa de som, torta de morango e um fardo de cerveja. A rifa será sorteada no dia 1º do próximo mês.

A história toda começou em maio deste ano, quando o menino, foi incentivado pelo professor Márcio Duarte, da Ruan Lugo Escolinha de Futebol Stand, a  participar de um peneirão no Complexo Esportivo Presidente Médici. Lá, estavam dois diretores, um do rubro-negro e outro do time Trieste Futebol Clube, que faz parte do Flamengo,  que avaliaram os garotos. Cauã se destacou entre os cerca de 70 meninos e foi chamado para fazer uma semana de testes no Trieste, em Curitiba. Após, ele retornou para Bagé; em agosto, recebeu uma ligação, que havia passado e voltaria para outra semana de testes. Hoje, o menino está na última fase antes de poder ingressar na categoria de base do Flamengo. Quem quiser colaborar pode entrar em contato pelo telefone: (53) 9847 34289 ou (53) 9993 71954.

Futuro promissor

Segundo Márcio Duarte, Cauã é ambidestro e tem um futebol diferenciado para a idade. Ele treina desde os 8 anos no time da Stand. Atualmente,  o menino joga duas categorias acima da sua idade, na sub-11 e sub-13 do time da Stand. Iniciou como atacante, mas no Flamengo assumiu o posto de lateral direito.

O professor acrescenta que a base de tudo é a mãe, Maria Isabel Costa Palácio. “Quem dá todo apoio e suporte para a nossa escolinha é a mãe dele”, conta.

A mãe confidencia à reportagem do Jornal Folha do Sul, que nunca imaginou ter um filho que pode jogar na categoria de base do Flamengo. Foi ela quem acompanhou o menino nas duas vezes que ele foi para Curitiba.

Além disso, se o menino passar, segundo ela, Cauã terá que ficar um tempo sozinho em Curitiba, cidade onde se encontra o clube. “Estou com o coração na mão, mas é o sonho dele, por isso temos que apoiar”, ressalta. Entretanto, o talento para o futebol vem de família, pois o irmão Carlos Eduardo Miranda, de 16 anos, é goleiro na base do São Leopoldo.   

 

Deixe sua opinião