No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Réus vão a júri popular por tentativa de assassinato
Publicado em 12/09/2019

Segurança

Foto: Reprodução/FS

José Hamilton Gomes Maglione, 32 anos, e Zildomar Santana Franco, 41, vão a júri popular, hoje, no salão do júri da comarca local, a partir das 9h30min. Eles, junto ao réu, André Luís Machado Corrêa (que foi requerido cisão processual, ou seja, será julgado em outro processo em outra oportunidade, pois não foi localizado), são acusados de tentativa de homicídio qualificado contra Maicon Lemos Pinto, em outubro de 2013.
Conforme a pronúncia, no dia 27 de outubro de 2013, por volta das 19h50min, na rua Otávio Assunção Gafree, em via pública, no bairro Popular, os denunciados em comunhão de esforços e conjugação de vontades, querendo e assumindo o risco de produzirem o resultado, deram início ao ato de matar Maicon Lemos Pinto, utilizando-se de arma de fogo e de força física, o atigindo com três tiros.
Na ocasião, os denunciados, previamente conluiados e ajustados, tripulando Chevette, cor marrom, foram até a residência da vítima. Chegando lá, Maglione teria avistado Pinto, em frente a residência, conversando com outras duas pessoas, oportunidade em que desceu do veículo (de arma em punho) e passou a cobrar da vítima dívida decorrente do tráfico de drogas. Com a recusa do ofendido, Maglione, acompanhado pelos denunciados Corrêa e Franco, desferiu diversos disparos de arma de fogo; três certeiros, dois na coxa esquerda e um nas costas da vítima.
Consta na pronúncia que, quando a vítima já agonizava no chão, os denunciados Franco e Corrêa, deram inúmeros chutes e pontapés. Por fim, com o auxílio de Maglione, ainda tentaram colocá-lo no porta-malas do automóvel, momento em que foram impedidos por duas testemunhas, que evitaram a consumação do delito.
O delito foi praticado por motivo torpe, em virtude de dívida decorrente do tráfico de drogas. O crime foi praticado mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima, pois os denunciados, em superioridade numérica, agiram de imediato, surpreendendo a vítima, que estava totalmente indefesa e desarmada, sem que pudesse esboçar qualquer reação defensiva, sendo atingida por um disparo pelas costas.
 

Deixe sua opinião