Quarentena provocou aumento na violência contra idosos
Publicado em 23/05/2020

Geral

Foto: Reprodução/FS

Coordenadoria alerta para casos de abandono, agressões e negligência

A pandemia do novo coronavírus não trouxe apenas o alerta para a atenção sanitária da comunidade bageense, mas também apresentou um triste panorama de violências cometidas dentro dos domicílios. A violência doméstica contra idosos aumentou consideravelmente durante o período de quarentena. É o que destacou a Coordenadoria de Políticas Públicas para Mulher, Idoso e Diversidade de Bagé. O órgão identificou o aumento de denúncias de abandono, negligência e violência contra idosos.

A titular da coordenadoria, Cândida Navarro, em contato com a reportagem do jornal Folha do Sul, disse que no mês de abril, quando o isolamento social foi consolidado na comunidade, ocorreu o ápice de registros de violência e pedidos de socorro, em função do abandono e negligência aos idosos. “O mês de abril, em termos de denúncias e registros de violência, foi muito acentuado. A primeira quinzena de maio também contou com denúncias. Agora, nessa segunda quinzena de maio, diminuíram esses registros”, comentou. Ela detalhou que os casos são diversos como de negligência, em cuidados de higiene com os idosos; de alimentação, acompanhamento, violência física, bem como psicológica. “Outro tipo de violência que ocorre muito é a patrimonial, quando filhos, netos, sobrinhos, se apropriam dos cartões desses idosos e, ao invés de suprirem a necessidade deles, acabam se aproveitando dos recursos em benefício próprio. Isso é muito grave e esse tipo de violência é democrática. Ela não acontece apenas na periferia, ou em classes sociais mais vulneráveis, mas também para aqueles idosos que recebem salários ou aposentadorias mais altas”, afirmou Cândida.

Conforme ela, é importante ressaltar que os moradores próximos a esses idosos também acompanhem a rotina desse público e procurem sempre que possível indagar se essas pessoas não estão precisando de algum auxílio. “Isso é solidariedade e humanidade. É preciso observar se houve mudança nos hábitos dessas pessoas. Caso saiba de alguma ocorrência de maus-tratos deve-se denunciar, pois essa informação é feita de forma anônima. Na coordenadoria, temos uma equipe que pode atender esses casos. Além dos idosos, a comunidade LGBT também envelhece e ainda está escondida passando por preconceitos e discriminação. Hoje, muitos estão em vulnerabilidade nesse sentido e também estamos trabalhando para fazer o acompanhamento deles nessa situação de violência”, enfatizou Cândida Navarro, que informou que as denúncias podem ser feitas ao plantão da coordenadoria (53) 999 66 38 29.

Cartório

Outro canal que pode auxiliar as pessoas idosas que sofrem violência é o Cartório do Idoso. A responsável pela 2ª Delegacia de Polícia, delegada Carolina Terres, informou que assumiu a delegacia há poucos dias, mas uma das prioridades do serviço é o Cartório do Idoso. “Estamos destacando um policial específico para o atendimento desse público e as denúncias podem ser feitas diretamente na delegacia. O WhatsApp para denúncia é (53) 9 8406 6962”, enfatizou Carolina Terres. A 2ª Delegacia de Polícia Civil está localizada na rua Bento Gonçalves, 713.

Deixe sua opinião