Profissionais do jornalismo e os aventureiros da “notícia”
Publicado em 15/02/2019

Editorial

O jornalismo qualificado e confiável enfrenta, na atualidade, um dos maiores vilões que são as “notícias” propagadas ao vento pelas redes sociais, sobretudo no Facebook. Hoje, qualquer um, de posse de um celular, se sente no direito de fotografar e escrever algumas letras e publicar. Não levam em conta as consequências disso. O advento dessas ferramentas causou grande impacto no trabalho realizado pelas empresas de comunicação que investem pesado em profissionais com qualificação para esse fim. Hoje a palavra de ordem é o imediatismo, sem levar em conta a apuração dos fatos, que é regra máxima do jornalismo. O que diferencia um jornalismo sério, comprometido com a verdade e com a sociedade, é apuração e a veracidade de uma notícia – não importa a corrida contra o tempo. Não fosse por isso, não seriam necessários cursos de jornalismo. Não seriam necessários anos de qualificação e de preparo para essa profissão que mexe com a vida de toda uma sociedade. Nenhum jornalista se arroga no direito de interferir em outra profissão, no entanto com ele ocorre o contrário. Hoje qualquer um acha que escrever ou falar bem lhe dá o direito de ocupar esse lugar. Imagina o leitor, se alguém que não é médico quer atuar como tal. Esse é apenas um exemplo do quão delicado é interferir onde não se tem qualificação e nem preparo. A internet foi uma das maiores criações do homem. As novas ferramentas que surgiram são de suma importância, porém quando mal utilizadas se tornam uma arma nas mãos de pessoas despreparadas, que têm como objetivo apenas aparecer, ser “gente” e ser vista nas redes sociais. Muitas pessoas e instituições já tiveram suas imagens arruinadas por esse tipo de comportamento. O mau uso dessas ferramentas se alastra como um rastilho de pólvora e em Bagé não é diferente. Dentro desse contexto, é por demais pertinente o assunto que vai ser abordado amanhã no programa Café com a Redação. Profissionais foram convidados para debater o tema comunicação.

Deixe sua opinião