Presidente da Arco avalia momento do setor e destaca qualidade de exemplares de evento
Publicado em 01/02/2020

Rural

Foto: Elieser Noble/Especial FS

Edemundo Gressler afirma que momento é de retomada

Se o Rematão contou com elevado número de ovinos para comercialização, a própria presença de 76 trios de animais rústicos e 98 animais a galpão, confirma um momento de retomada para a Feovelha e o próprio segmento. Avaliação feita pelo presidente da Associação Brasileira de Criadores de Ovinos (Arco), Edemundo Ferreira Gresseler, os reprodutores desta edição se destacam pela qualidade, fruto do trabalho dos produtores em melhoramento genético. “O nosso produtor é um investidor em genética”, ressaltou durante participação na feira.
Sobre a ovinocultura, Gresseler confirma o movimento favorável para o setor, o que exige do produtor a busca por qualificação para produzir mais cordeiros e lã de qualidade. Com esta melhora de cenário o setor enfrenta um desafio: aumentar o rebanho.

Programa estadual será lançado

A  Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, realizou na sexta-feira, a reunião da Câmara Setorial da Ovinocultura.  A ação integra iniciativa que envolve uma das 24 câmaras assistidas pela secretaria.
Na pauta, a apresentação de um diagnóstico da Ovinocultura na Metade Sul do Estado com o objetivo de criar uma proposta para o Programa Estadual da Agricultura. O novo programa deverá vigorar a partir da segunda quinzena de julho.  “Nós mapeamos a ovinocultura do Estado em cinco regiões e identificamos as necessidades de cada uma”, salienta o coordenador da Câmara da Ovinocultura e da Comissão de Ovinos da Farsul, André Camozzato, coordenador da Câmara da Ovinocultura e da Comissão de Ovinos da Farsul.
A proposta, segundo ele, é trabalhar cada região de forma individual, tentando atender as necessidades de cada uma. A mortalidade de animais e a alimentação são os fatores mais preocupantes.
O rebanho ovino no Rio Grande do Sul é de atualmente três milhões de animais, a Emater uma das parceiras no programa deverá aprofundar os dados de 80 municípios do Estado para complementar o programa. Para Camozzato, o maior desafio é aumentar a produtividade dos rebanhos gaúchos, frisa.

Deixe sua opinião