Jardins e Escola do Meio Ambiente serão agregados ao projeto de restauração
Prefeitura não desistirá da reforma da antiga Hidráulica
Publicado em 30/04/2013

Geral

Foto: -

Arquiteta salienta que apoio do DAEB e da pasta do Meio Ambiente ajudará para construção da Escola do Meio Ambiente

O restauro da antiga Hidráulica de Bagé é há muito aguardado pela comunidade. A obra que iniciou em 2010, segundo a arquiteta da Secretaria de Coordenação e Planejamento (Scoplan), Joelma Lemos Silveira, não será abandonada pela Prefeitura. De acordo com ela, a questão da Hidráulica estava sendo tratada junto com outras obras de restauração de patrimônio histórico de Bagé, cujos recursos são financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES). “As pendências de adequações nos projetos e justificativas para cortes já foram sanadas”, ressalta a arquiteta que comenta que outras duas obras também estão sendo tratadas com o Ministério da Cultura e o BNDES: uma sala de visitação no Palacete Pedro Osório e uma sala prevista com painéis informativos na área central do Centro Administrativo. “Toda a documentação com as informações necessárias foram encaminhadas no final do ano passado, então estamos aguardando os procedimentos que serão tomados agora pelo BNDES”, ressalta a arquiteta.

Escola do Meio Ambiente
Como no projeto inicial, houve a necessidade de alguns cortes, pois o valor do orçamento inicial era de R$ 1. 752, 062, 29, mas o convênio amparava recursos na ordem de R$ 994,760,00. O BNDES exigiu justificativas que foram encaminhadas pela Scoplan e após análise da economista do Departamento de Cultura, Entretenimento e Turismo do BNDES, Renata Baía, as alterações foram aprovadas. No entanto, a economista, segundo Joelma, insistiu para que a Escola do Meio Ambiente fosse mantida no projeto. “Ela insistiu para que se mantivesse a Escola do Meio Ambiente que existia no projeto original. Em solicitação ao prefeito Dudu Colombo, decidimos por fazer uma parceria junto ao DAEB e a Secretaria de Meio Ambiente para construirmos essa escola que é tão importante, pois irá beneficiar na construção de uma educação ambiental e patrimonial na comunidade”, salienta Joelma que explica que a escola será uma contrapartida do município. Já a obra com os jardins instalados na área da Hidráulica será realizada com recursos do PAC Cidades Históricas. “Acredito que com esse apoio a obra irá engrenar e terá mais celeridade nesse processo, porque todas as exigências feitas pelo BNDES foram cumpridas”, reitera Joelma destacando que a Scoplan aguardou durante dois anos a visitação de uma equipe técnica para analisar as obras e dar prosseguimento no processo de restauração da Hidraúlica. A equipe com técnicos de São Paulo e Rio de Janeiro vieram a Bagé no final do ano passado e analisaram as obras. “É um processo que envolve muitas normas, mas ressalto que todas as pendências foram sanadas e as alterações já encaminhadas ao Ministério da Cultura”, explica a arquiteta que informa que está marcada para a próxima semana uma reunião com o diretor do DAEB, Kiwal Parera, e o secretário de Meio Ambiente, Amaro Dias Robaina, para tratar da obra da Escola do Meio Ambiente. “A Prefeitura tem a maior boa vontade de que a obra de restauro da Hidráulica aconteça, mas seguindo todos os procedimentos e normas exigidas”, declara Joelma Lemos da Silveira.

Deixe sua opinião