Polícia Civil e Brigada Militar prendem grupo criminoso que atuava incendiando bancas de jogo do bicho
Publicado em 27/02/2020

Segurança

Foto: Divulgação/FS

Dois homens foram presos e três adolescentes apreendidos

A Polícia Civil, através da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) e da Brigada Militar, prendeu na madrugada de ontem, um grupo responsável por destruir e incendiar bancas de jogo do bicho como forma de extorsão contra o dono do local. O grupo criminoso é comandado por um preso de dentro da Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc).
Os policiais iniciaram a investigação após uma vítima relatar que a garagem da casa havia sido incendiada, pois, no local, funcionava um ponto de jogo do bicho. No incêndio, foi utilizado um veículo Uno que havia sido roubado, inclusive foi incendiado junto. Os criminosos filmaram toda a ação e divulgaram em diversos grupos de WhatsApp para mostrar a violência com que agiam. 

Segundo a polícia, a ação de ontem foi rápida e direta, evitando que outros dois locais fossem incendiados - um deles, nas proximidades da Cohab, onde dois dos indivíduos foram abordados. Eles estavam trafegando em uma motocicleta com placas adulteradas. Outra equipe de policiais que monitorava a residência utilizada pelo grupo prendeu outras cinco pessoas. Na casa, foram apreendidas 71 pedras de crack embaladas e prontas para a venda; uma porção maior para ser fracionada; dinheiro da venda de droga e duas garrafas de gasolina que seriam usadas nos incêndios.

O delegado Cristiano Ritta, responsável pelas investigações, ressaltou que essa é segunda vez que a Polícia Civil e a Brigada Militar prendem indivíduos ligados à extorsão contra bicheiros - todos eles pertencentes à mesma facção criminosa. A ação de ontem foi possível, mais uma vez, pela integração e inteligência policial. Nos próximos dias, outras pessoas já identificadas serão indiciadas e poderão ser presas. Também afirmou que o jogo do bicho é ilegal e a polícia empreende esforços para coibir essa prática.

Dentre os indivíduos identificados, dois são adultos e três adolescentes - um deles é o responsável pelos incêndios. Outros dois usuários foram identificados e liberados. Os presos foram recolhidos ao Presídio Regional de Bagé e responderão por organização criminosa, incêndio criminoso, extorsão, tráfico de drogas, receptação e posse ilegal de arma de fogo.

Deixe sua opinião