No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

PAPO DE ELEVADOR – 13 DE NOVEMBRO
Publicado em 13/11/2019

Papo de Elevador

Foto: Reprodução/FS

Um militar no planejamento
José Antônio Marques da Silva, o coronel Marques, deverá ser o novo secretário municipal de Gestão, Planejamento e Captação de Recursos (Geplan). É o primeiro cargo do PSL no governo, agora sob a administração de Manoel Machado. Marques é vice-presidente do PSL em Bagé. 

Um novo meio ambiente
Cristian Becker, o novo secretário de Meio Ambiente e Proteção ao Bioma Pampa de Bagé, é bacharel em Ciência Política, técnico em Biocombustíveis, técnico Ambiental e técnico em Agroindústria. Ouço as ideias de Cristian desde 2015, são ousadas e inovadoras. Se forem colocadas em prática teremos uma boa gestão ambiental no município. 

Panela do Candal
A saída de Eduardo Deibler da Geplan não significa que tenha abandonado os trâmites para a concretização do Projeto Parque da Panela do Candal. Pelo contrário. Falta pouco para a licitação da obra, o dinheiro existe e a Caixa está no processo de viabilização. 
O Parque do Candal contempla a Cultura, o Meio Ambiente e o Turismo.  

Mundo de lados
Vez por outra me pego refletindo sobre política e me questiono sobre direita e esquerda, centro-esquerda e centro-direita. Bolsonaro, Lula, Eduardo Leite, João Dória, Álvaro Dias, Ciro Gomes, revolta na Espanha, no Chile, na Bolívia.

Calado
Certa vez conversando com meu amigo Sapiran Brito revelei que estava cansado desse discurso de esquerda e não me enquadrava na cartilha da direita. O meu amigo foi taxativo: 
- Esse negócio de centro não existe. Ou se é esquerda ou se é direita.
Fiquei calado. E quem cala não consente, reflete.

Quem é quem
Olho para os vereadores de Bagé e não sei quem é o quê. Um ou outro, talvez. A maioria, não. O que é o Carlinhos do Papelão? O que é o Rafael Fuca? A Lia? O Graziane?
Não sei. Direita? Talvez, às vezes. Esquerda? Sim, muitas vezes.

Uma história caduca
O que define uma coisa e outra no atual momento? A opção pela política econômica? O viés social? Porque aquela história que deu origem aos termos, associado a estar ao lado dos pobres e estar ao lado das elites conservadoras, parece que caiu por terra no Século XXI. 

Há 200 anos
O intelectual de Bagé (e do Aceguá), falecido há poucos dias, João Bosco Abero, sentia-se desconfortável com apenas duas opções. Para ele, o leque era mais amplo. Compreender a origem, na raiz da Revolução Francesa, era uma coisa, deixá-la estática por 200 anos é outra, bem diferente. 

A “imensa” demagogia

Pois bem. Outro dia um amigo, este do PDT, disse-me que tudo é muito claro. 
- Esquerda é quem está ao lado dos mais pobres. Direita é quem está ao lado da classe média e dos ricos. 
Isso me soou como uma “imensa” demagogia. Um petista me diz que o Lula tirou 40 milhões da miséria (é este o número que eles dizem?) e que em menos de dois anos eles voltaram para a miséria por culpa do Temer e agora do Bolsonaro. Ora, então era tudo uma mentira “deslavada”.
Afinal, de que miséria estamos falando que se entra e sai assim tão rápido?

“Estou ao teu lado”
Por outro lado, os 14 ou 15 anos da esquerda no Brasil enriqueceu muito quem já estava rico, como banqueiros e empreiteiros. Enquanto isso, tentava-se mudar a cultura e o pensamento de uma geração. E essa mudança não resultou em pessoas que lutam pelos mais pobres. Resultou em gritar e postar palavras de ordem sem análise de conteúdo. 
Dizer estou ao teu lado não significa uma verdade fundamentada. É apenas dizer.  

Precisamos ter razão
Eis um tema que me agrada bastante. Devo voltar a ele. Porque precisamos disso na política bageense. Precisamos de filosofia, precisamos debater, precisamos compreender, precisamos ter razão. Com razão, e sem empurrar com a barriga, encontraremos o melhor caminho para tornar nossa cidade desenvolvida em todos os aspectos, social, econômica e cultural. 

Uma história da história
Então, lá por 1700 e tantos, ouviu-se o seguinte diálogo:
- Como assim “todo o poder emana do povo”? Eu me criei sabendo que “todo o poder emana do rei e em seu nome será exercido”. Quem ousa agora tentar mudar isso?

Deixe sua opinião