No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Ovinocultura em Debate é concluída com avaliação positiva dos organizadores
Publicado em 12/07/2019

Rural

Foto: Alicia Ibañes/Especial FS

Demanda é crescente, mas consumo permanece ainda baixo no Brasil

Como divulgado na edição de ontem, a Embrapa Pecuária Sul sediou a quinta edição do seminário Ovinocultura em Debate. O evento, promovido pela Associação Brasileira de Criadores de Ovinos (Arco) e a Embrapa local, se propõe reunir os diferentes atores do segmento propondo a reflexão e a construção conjunta de ações para fomento da atividade.
Segundo o assessor técnico da Arco, Edegar Franco, o balanço foi positivo: “Conseguimos ouvir todos os elos dessa cadeia produtiva; a parte gastronômica; de mercado; de indústria; de produtores, todos com o mesmo sentimento, que é o de querer ajudar”, disse. “Todos foram bem desarmados, colocando números, colocando na mesa as dificuldades, os anseios, para que tenhamos uma cadeia forte em uma equação de soma onde todo mundo ganhe”, completou Franco.
No evento, foi ressaltado que existe uma demanda crescente, mas consumo ainda baixo no Brasil (estima-se que o consumo anual esteja entre 400 gramas e 700 gramas no país), a carne ovina não marca maior presença na mesa do brasileiro devido a um caminho ainda pouco fluído dentro da cadeia produtiva. “Enquanto os produtores estão pensando em animais grandes, o consumidor quer cortes pequenos, quem comercializa tem dificuldade para dispor do produto, a indústria diz que quer comprar e não encontra, e o produtor diz que produz e não tem para quem vender”, comenta o pesquisador da Embrapa Pecuária Sul Marcos Borba.
 
Mais retorno financeiro
Com experiência de décadas trabalhando com pecuária e lavoura, o produtor rural de Pedras Altas, Carlos Ávila, ressaltou que a ovinocultura é a atividade mais lucrativa na sua propriedade. “Eu tenho arroz, soja, bovinos, equinos e a ovinocultura é o que mais dá retorno financeiro por área útil ocupada”, destacou.
A percepção de Ávila vai ao encontro de uma das palestras que mais instigou o público. O também produtor rural, Luiz Cláudio Pereira, apresentou o tema “por que ser um produtor de ovinos”, com dados comparativos entre lavouras, a bovinocultura de corte e a ovinocultura. Nos cálculos de Pereira, o lucro líquido da ovinocultura com taxa de natalidade de 75% chega aos R$ 1 686 por hectare (ha), contra R$ 962 da soja em área própria (40 sacas/ha); R$ 603,40 do arroz em área própria (160 sacas/ha); e R$ 492,75 da bovinocultura de corte (ciclo completo). “É claro que cada um tem que ver a vocação do seu campo, assim chegamos nesses resultados”, explicou Pereira. 
O evento teve apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/RS), Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), e Supra.

Deixe sua opinião