No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Operação Matilha: Decrab realiza prisão e apreensões em Pedras Altas
Publicado em 21/08/2019

Segurança

Foto: Polícia Civil/Especial FS

Proprietários de cachorros foram notificados por maus-tratos

A Polícia Civil, por meio da Força-Tarefa das Delegacias Especializadas no Combate aos Crimes Rurais e Abigeato (Decrabs), deflagrou, ontem pela manhã, a Operação Matilha, que visa coibir o abigeato e os ataques de cães a rebanhos de ovinos no município de Pedras Altas.
Na ação, que teve apoio da Brigada Militar e da Secretaria Estadual de Agricultura, um home foi preso. Desde o mês de maio, a equipe da Decrab de Bagé estava investigando um grupo pelos crimes de abigeato, caça ilegal de animais silvestres e falta de guarda de cachorros ferozes que atacavam rebanhos de ovinos.

Apenas em 2019, mais de 100 ovinos já foram mortos por ataques de matilhas de cachorros em Pedras Altas, fato que gera enorme prejuízo aos produtores rurais. O município também apresenta elevados índices de abigeato. 
Diante dos fatos, após quase quatro meses de investigações, o delegado André de Matos Mendes, coordenador da Força-Tarefa das Decrabs, representou por mandados de busca e apreensão na residência de 10  suspeitos de integrarem o bando. O pedido foi atendido pelo Poder Judiciário. A operação apresentou o seguinte resultado: um preso em flagrante; uma propriedade rural inspecionada; três armas de fogo apreendidas; dois proprietário de cães notificados por possuírem, ao todo, 21 cachorros soltos oferecendo risco, cães estes que são apontados como responsáveis pelos ataques; dois proprietários de cães foram notificados e responderão por maus-tratos contra os animais. 
Também participaram da operação representantes da Rede de Proteção Ambiental e Animais do Vale do Taquari (REPRASS) e do Sistema Farsul. Os técnicos elaboraram laudos e relatórios apontando as condições com que cães estão sendo criados no Assentamento Regina, principal foco das matilhas. O material produzido pelas entidades servirá para embasar ofício ao Ministério Público Estadual, visando outras medidas cabíveis.
 

Deixe sua opinião