O mundo está no fim ou recomeçando
Publicado em 01/04/2020

Política

Vou confessar algo que me passou pela cabeça nos últimos dias de recolhimento do qual ainda estou participando. Muito mais para respeitar às determinações do que por medo de ser atingido pelo vírus. Sigo alguns conselhos dos mais velhos que baseavam o combate a doenças com ervas caseiras. É claro que, a evolução da medicina, aliada à tecnologia, atingiu níveis extraordinários. Também não podemos esquecer que o aparecimento de moléstias, até então desconhecidas, propiciou a evolução tecnológica. Como em um passe de mágica, a pesquisa tomou conta do campinho e a combater doenças e vírus que começaram a aflorar. Quem em nossa época imaginou que o homem iria chegar à Lua? Tem muitos que até hoje desconfiam da veracidade. Pois bem, já em tempos idos, Nostradamus afirmou que: “rei do terror viria do céu em 1999 em sete meses” o que foi interpretado como previsão de que o fim do mundo terminaria em julho de 1999. Lembro muito bem que no dia apregoado para terminar o mundo, eu e minha filha, pegamos um voo para o Rio, avião quase vazio, para assistirmos o Grande Prêmio Brasil de Turfe. A maioria da população achou por bem esperar em casa, sem viajar, aguardando os acontecimentos. Na volta, como a me provocar sobre a viagem ou meu entendimento religioso, perguntaram: Não tivesse medo de morrer? Não. Morre quem tem medo, morre também que não teme. Isso depende do nosso Criador. E aí surgiu uma frase (até hoje não sei quem foi o seu autor) que diz o seguinte: “Quem tem que morrer não adianta correr”. Isso é menosprezar a ciência? Não. Quem se preocupa ‘antes que a morte chegue, joga para escanteio a qualidade de vida’. Este introito (que palavra danada!) me fez pesquisar algo sobre Chico Xavier, espírita famoso no mundo inteiro. Ele teria dado uma entrevista no programa “Pinga Fogo”, (não consegui o nome da emissora, se de rádio ou televisão) que afirmou o seguinte (isso o Google me instruiu): “A data-limite para a humanidade passar por transformações profundas estaria ligada à chegada do homem à Lua”. Neste momento, alguns estão perguntando o que isso tem a ver com a chegada do coronavírus? E aqui vem a explicação: “Se em 50 anos não acontecesse a terceira guerra mundial, a terra e seus habitantes viveriam uma nova era”. Direto ao vírus.

Transformações têm acontecido 

   

Desastres naturais cada vez mais frequentes, cura ou chegada de várias doenças, por exemplo, o coronavírus. Já tenho escutado que este novo (velho) vírus pode dar início às transformações. A gente observa que, nunca tivemos uma união de quase todos os países do mundo, no sentido de combater o vírus. A união do mundo contra o inimigo comum. Claro, temos algumas exceções.  E aí entra o radicalismo que é nocivo à paz do mundo. No Brasil, por exemplo, virou debate político partidário. A tal ponto chegamos que, a disputa pelo poder está provocando combate acirrado entre oposição e situação. Cada um quer usufruir politicamente, dos efeitos do vírus. No próprio governo.

Mantenham as recomendações dos estados

Essas são as recomendações do Ministro da Saúde. Está em linha de choque com o presidente Bolsonaro, afirmam uns. Eu acho que não. Ele aconselha a população “seguir as recomendações dos estados”. Está por fora do que acontece no país. Municípios contrariam os estados e estes contrariam a União. O próprio governo está em dúvida sobre a melhor forma de combater o vírus. Uma é técnica, do Ministro da Saúde, que segue orientações da OMS. Outra é política, tentando mostrar que o vírus tem tempo marcado para sobreviver. E isso é verdade, segundo os especialistas afirmam. Até a projeção do número de mortes estão calculadas. No momento, ‘quase’ todas elas são anunciadas como efeito do vírus. Isso está provocando desconfiança. A tal ponto que tem governador, como o de Minas, que ameaça exumar os corpos para apurar a verdade. Então, isso tem aumentado o público nas ruas. O vírus está atingindo o raciocino até das autoridades. Ele chegou em ano eleitoral. Concordam ou não?

Deixe sua opinião