MÊS MISSIONÁRIO EXTRAORDINÁRIO
Publicado em 11/10/2019

Opinião

Com fé, esperança e alegria convido todos os cristãos de nossa Diocese para promover e celebrar o Mês Missionário Extraordinário. O Mês Missionário Extraordinário foi convocado pelo papa Francisco, em 2017, para celebrar 100 anos da Carta Apostólica, escrita em 1919 pelo Papa Bento XV, com o título de Maximum Ilud, que se refere à grandeza da missão de Jesus Cristo deixada aos discípulos e a todos os cristãos, de todos os tempos. No centenário dessa carta, papa Francisco nos convida a refletir as seguintes urgências:  
1. Resgatar a responsabilidade missionária de anunciar o evangelho, numa caminhada sinodal de comunhão e participação dialogando com os diversos setores da Igreja e com a sociedade, fazendo um caminho de conversão pastoral e missionária;
2. Aprofundar o estado permanente de missão, sem medo de realizar uma opção missionária transformadora, superando a tentação da autorreferencialidade e o pessimismo pastoral;
3. Sair dos confins das nações e testemunhar o amor de Deus por toda a humanidade, como participantes da missão universal, percebendo que a missão de Jesus Cristo não tem fronteiras.
    O tema do escolhido: “Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo”. Razão do tema: “pôr a missão de Jesus no coração da Igreja, transformando-a em critério para medir a eficácia de suas estruturas, os resultados de seu trabalho, a fecundidade de seus ministros e a alegria que eles são capazes de suscitar. Porque sem alegria não se atrai ninguém” (papa Francisco).
    O papa Francisco acrescenta: “a fé em Jesus Cristo dá-nos a justa dimensão de todas as coisas e nos faz ver o mundo com os olhos e o coração de Deus; a esperança abre-nos aos horizontes eternos da vida divina, a qual verdadeiramente participamos”.
    Que o Mês Missionário Extraordinário se torne uma ocasião de graça intensa e fecunda para promover iniciativas e intensificar de modo particular a oração – alma de toda missão - o anúncio do Evangelho, a reflexão bíblica e teológica sobre a missão, as obras de caridade cristã e as ações concretas de colaboração e solidariedade entre as igrejas, de modo que se desperte e jamais nos seja roubado o entusiasmo missionário (Evangelii Gaudium, n. 80).
    Recordamos ainda, que outubro é também o Mês do Rosário: à Maria, nossa Mãe, confiamos a missão da Igreja. Unida a seu Filho, desde a encarnação, a Virgem Mãe colocou-se em movimento e deixou envolver-se totalmente pela missão de Jesus; missão que, ao pé da cruz, havia de se tornar também a sua missão: colaborar como Mãe da Igreja para gerar, no Espírito e na fé, novos filhos e filhas de Deus, através do batismo. 
    Que o Espírito Santo nos faça missionários de Jesus a exemplo de Maria, de São Paulo, de Santa Terezinha, de São Francisco de Assis e das santas e santos missionários! 
    Concluo com a bênção do papa Francisco: “aos missionários, às missionárias e a todos aqueles que, de algum modo, participam, em virtude do seu batismo, na missão da Igreja, de coração, envio minha bênção: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém”.

Deixe sua opinião