MANIFESTAÇÕES NÃO ESMORECEM O CONGRESSO
Publicado em 13/03/2020

Opinião

É uma autêntica ‘briga de foice no escuro. Não se sabe quem vai ganhar, agora, sabemos quem vai perder. Sempre que acontece desavença política, quem perde é a população. Muitas desavenças já aconteceram entre Executivo e Legislativo. Algumas resolvidas, outras pendentes. A atual teria sido provocada pelo presidente Bolsonaro. Ao ser divulgado seu apoio às manifestações do dia 15, domingo, cujo objetivo seria protestar contra Legislativo e Executivo, o bicho voltou a pegar. O que é mais grave e que não aparece nenhum ‘bombeiro’, para tentar apagar o fogo com água. No dia em que o ‘perfil’ do governo divulga e da ênfase às manifestações de domingo, deputados e senadores impõem derrota ao Executivo e avançam na aprovação de projetos que deixam com as duas casas o controle de R$ 15 bi do orçamento. A proposta foi aprovada pela Comissão Mista do Orçamento, mas depende de passar pelo plenário. Os legisladores dão resposta ao governo que estaria ‘pressionando as manifestações’. Após o primeiro ‘round’ entre Executivo e Legislativo sanado por ‘negociadores’ de ambos os lados, o governo teria voltado atrás. Teria quebrado o acordo sobre a divisão do orçamento, cumprida pelo Congresso e ‘descumprida’ pelo governo. O Congresso queria ter autonomia para liberação de 30 bilhões do orçamento. Contudo, o governo não aceitou nem de longe a proposta. Para evitar riscos negociou com o Congresso parte do pedido. Na prática, o governo continuaria mandando em R$ 15 bilhões e o Congresso na outra metade. Concluída a negociação, o Congresso teria cumprido sua parte. O governo nega qualquer acordo. E para complicar ainda mais, Bolsonaro ocupa seu espaço na internet, para insuflar o movimento de domingo. E aqui abre o debate, de novo, dividindo o próprio Congresso. Tem legisladores que não querem que o plenário decida ‘antes das manifestações de domingo’, para não inflar, mais ainda, o movimento contra o Legislativo e o Judiciário. Não é a opinião de Rodrigo Maia, presidente da Câmara. Mostra que sabe o que está fazendo e não deixa de usar sua influência em fato polêmico. Leia: “A sociedade tem todo o direito de se manifestar, criticar, elogiar. O que a gente não pode é tentar passar ou atrasar apenas para reduzir ou aumentar a manifestação. Isso é desrespeitar a sociedade. Se essa é uma matéria que está em pauta, está pronta para votar, a gente deveria votá-la. A decisão cabe ao presidente do Congresso, senador Davi Alcolumbre”. 


Bolsonaro nega conversa com Maia e Davi 
Ele afirma que “teve ministro meu que já conversou com o Alcolumbre. Estamos negociando, conversando, para que se chegue há um bom termo sobre essa questão do Orçamento”. No entanto, o perfil oficial da Secretaria de Comunicação da Presidência nas redes sociais divulgou no mesmo dia, quarta-feira, a manifestação de domingo: “A visita do presidente Jair Bolsonaro aos EUA incluiu um encontro com a comunidade brasileira que vive na Flórida. Em seu discurso, ele destacou a legitimidades das manifestações populares previstas para o dia 15 de março em todo o Brasil”.  A matéria jornalística que li em diversos órgãos mostra imagem de publicação em que apoiadores aparecem vestidos de verde e amarelo, segurando cartazes contra o PT. É semelhante ao que aconteceu na campanha eleitoral. O texto transcreve a fala de Bolsonaro numa conferência em Miami: “As manifestações do dia 15 de março não são contra o Congresso nem contra o Judiciário. São a favor do Brasil.” No entanto, nas redes sociais, alguns simpatizantes convocam a defender o Executivo, deixando claro que há inimigos a serem combatidos: o Congresso e o Supremo Tribunal Federal. Pelo visto, ‘não tem nada tão ruim que não possa piorar’. Concordam?


Acendeu a luz amarela na divisão de acesso  
Qualquer cidadão comum que goste de futebol sabe de antemão quando um time corre perigo. Nossa dupla Ba-Gua não vai bem no campeonato. O Bagé corre no momento maior perigo. De nove pontos disputados, ganhou apenas dois. O Guarany tem uma melhor colocação porque de nove pontos conseguiu quatro. Ninguém de bom censo esperava grandes apresentações de nossa dupla. O exíguo tempo de treinamento e a mudança no meio do caminho dos treinadores, não deu tempo de formar um bom conjunto. Os times estão ganhando ritmo de jogo durante o próprio campeonato. E isso não é bom. A gente espera que alguns ‘defeitos’, normais da falta de entrosamento sejam sanados e a recuperação venha ao natural. Desejo de quem gosta da dupla.

Deixe sua opinião