Informar é ótimo, defender interesses não!
Publicado em 06/04/2020

Política

O título que abre a coluna de hoje é tão complicado quanto quem o escreve. Vou tentar explicar, calmamente, o que está circulando por minha cabeça senil. Lendo matérias de jornais (noticiários da televisão abandonei há mais de 10 dias), me faz pensar e a dúvida vem logo. O que provocou o coronavírus? Foram os laboratórios que ao pesquisarem alguma doença, ou solução para algum problema maior, os criaram? Estariam tentando inventar alguma arma mais poderosa para poder combater o inimigo e deu errado? Vem pelo vento o que pode ser o lixo do mundo, que não está sendo bem eliminado? Aliás, nós, povo, de muitas partes do mundo, somos pródigos em ‘jogar lixo fora’ em qualquer lugar, causando vírus à natureza. Que ao reagir, transforma sua raiva em tempestades, tsunami, derretimentos dos polos, mudança nas estações do ano. Não chove mais como antigamente. Seria causado pelo agrotóxico; pelos sacos plásticos que entopem os ‘poros’ da terra, cuja fabricação e uso estão proibidos? Mas apenas para canudinhos, aqueles  em que tomávamos refrigerantes desde os tempos de criança. Sacos, copos, pratinhos de aniversário e talher plástico estão liberados. Estes, pelo visto, não fazem mal à natureza. Sem me aprofundar muito no tema, não importa quem criou ou se foi a reação da natureza, o coronavírus está aí mesmo, causando estragos. Com se faz para combater ou evitar que ele cause a morte? Bueno, aqui começa outro ciclo, em que os entendidos divergem. Eles divergem e causam o pânico.
Qual a melhor maneira de combater o vírus?
Ficar confinado em casa? Lavar as mãos com sabão? Passar álcool-gel? Usar máscara? Fechar o comércio? Proibir que os ônibus ocupem mais da metade dos bancos? Que as empresas aéreas suspendam viagens ao exterior? Um efeito a gente ouve todo o dia: “A bolsa cai e o dólar sobe”. Muitos compram na baixa e vendem na alta. Mas isso acontece seguidamente, muito antes do vírus atual se manifestar. É verdade, mas não em percentuais tão altos como agora. Os técnicos estão ‘batendo cabeça’ e é neste aspecto que os politiqueiros querem tirar dividendos. Afinal, estamos em ano eleitoral. E a coisa é tão grave que o Twitter está censurando algumas declarações de técnicos. Foi o caso do Dr. Osmar Terra, que em sua página afirmou: “Insisto: A quarentena vai aumentar os casos de coronavírus”. Isso ele vem afirmando desde o início. Primeiro, no plenário da Câmara e nos últimos dias, a Jovem Pan e a Bandeirantes lhe abriram espaço. Já o ministro da Saúde, que também é médico, enfatiza que a quarentena evita a proliferação, junto com o uso de máscaras e luvas. De tanto consumo, até terminaram. E quem fabrica, não quer vender. E aí, o ministro diz que não ‘precisa’ comprar, pois podem fabricar em casa. Outro especialista afirma que o vírus tem três portas de entrada: boca, nariz e olhos. Mas a mascara só cobre dois deles? Ou será que vão fabricar máscara com óculos? Sábado, o secretário executivo do Ministério da Saúde, Dr. João Gabbardo, deu entrevista sem a presença do Mandetta e afirmou: "todo mundo vai ter contato com o vírus. O que a gente precisa é ter tempo”. Outra vez o ‘sininho’ da desconfiança bateu em mim: Até em quem está encerrado dentro de casa? Se for, está dando razão ao Dr. Terra. É claro que contraria seu chefe, Mandetta.
Quem tem razão? Eis a questão
Na dúvida, sigo os ensinamentos de meus pais: Sentiu uma ‘coceira’ na garganta, normal quando o frio começa a chegar, faço gargarejo com salmoura e água quente. Antes dava resultado e até agora vou indo bem. Mas prejudicar não prejudica. Porque, convenhamos, ninguém está seguro sobre ‘qual é o melhor remédio’, haja vista que os profissionais estão ‘batendo cabeça’. E isso me leva a crer que, alguma coisa de ‘bom’, o vírus deixará para os terrestres: Está fazendo aproximar as famílias, tão distanciadas nos últimos anos. Pode ser que o ‘medo de morrer’ mude as cabeças dos governos que, até agora, só encontram solução na raiva e nas provocações para a guerra. Também, matéria publicada no JB (Jornal do Brasil), diz o seguinte: “A pandemia do coronavírus faz a terra tremer menos”. E justificam: “o mundo ficou mais silencioso e a Terra tremendo menos. Sismólogos explicam que a diminuição do ruído sísmico provocado pela circulação de pessoas e, principalmente, rodoviária, faz com que as vibrações na crosta terrestre diminuam”. Tem certa lógica, eu acho. Concordam ou não?

Deixe sua opinião