No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Cidades da fronteira Brasil-Uruguai
Estimativa do IBGE indica queda no número de habitantes
Publicado em 29/08/2019

Geral

Foto: João A. M. Filho

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou ontem as estimativas das populações residentes nos 5 570 municípios brasileiros, com data de referência em 1º de julho de 2019. Conforme dados do órgão, estima-se que o Brasil tenha 210,1 milhões de habitantes e uma taxa de crescimento populacional de 0,79% ao ano, apresentando queda do crescimento quando comparado ao período 2017/2018, conforme a Projeção da População 2018.

A reportagem do jornal Folha do Sul acessou os dados e verificou que dos 16 municípios do Extremo Sul do Estado – Aceguá, Bagé, Barra do Quaraí, Candiota, Chuí, Dom Pedrito, Herval, Hulha Negra, Jaguarão, Lavras do Sul, Pedras Altas, Pinheiro Machado, Quaraí, Santana do Livramento, Santa Vitória do Palmar e Uruguaiana; entre 2018 e 2019, tiveram saldo negativo no cálculo da população, de -1 096 habitantes, o que representa um decréscimo de -0,21% em relação ao ano anterior. Das 16 cidades pesquisadas, mais da metade registraram queda na estimativa, enquanto sete tiveram aumento, porém, somente Aceguá (+0,88%), Chuí (+1,03%) e Hulha Negra (+0,92%) tiveram crescimento superior à média nacional, de 0,79%. Os dados da região pesquisada diferem da média do Estado, que cresceu 0,05% entre 2018 e 2019.

Bagé volta a crescer

Conforme o IBGE, a Rainha da Fronteira tem atualmente 121 143 moradores, o que representa um aumento de 200 habitantes em relação a 2018, quando a estimativa apontava 120 943 residentes, com aumento de 0,16%; valor que é oposto à média obtida entre 2017 e 2018, que apontou queda populacional de 1 266 (-1,03%).

Entre as cidades que cresceram em termos populacionais nas duas últimas séries de dados do órgão, somente Aceguá (+142), Candiota (+178), Chuí (+278) e Hulha Negra (+215) tiveram dados positivos no período.

 

Redução

Por outro lado, Dom Pedrito (-1361), Herval (-159), Jaguarão (-1 476), Lavras do Sul (-327), Pedras Altas (-186), Pinheiro Machado (-642), Quaraí (-845), Santana do Livramento (-5 285), Santa Vitória do Palmar (-1 598) e Uruguaiana (-2814); segundo o IBGE, em dois anos, tiveram perda acumulada de 14 693 moradores, número superior ao total de habitantes das cidades de Arroio dos Ratos (14 151), Balneário Pinhal (14 068), Bom Princípio (14 055), Cerro Largo (14 133) e Santo Cristo (14 257).

Para efeito de comparação, o saldo acumulado (-14 984) nos últimos dois anos de todas as 16 cidades gaúchas pesquisadas na faixa de fronteira entre Brasil e Uruguai é superior ao total de moradores de Pinheiro Machado (12 271). Ou seja, são pessoas que morreram ou deixaram de residir nestes municípios; enquanto em número bem menor, ocorreram registros de nascimentos e de moradores que fixaram residência nestas localidades.

Importância

As estimativas populacionais municipais são um dos parâmetros utilizados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) para o cálculo do Fundo de Participação de Estados e Municípios e são referência para vários indicadores sociais, econômicos e demográficos. Por isso, os dados divulgados refletem diretamente nas contas públicas das 16 cidades analisadas.

Dos 5 570 municípios do país, 28,6% apresentaram redução populacional. Aproximadamente metade (49,6%) dos municípios tiveram crescimento entre zero e 1% e apenas 4,8% (266 municípios) apresentaram crescimento igual ou superior a 2%.

O grupo de municípios com até 20 mil habitantes apresentou, proporcionalmente, o maior número de municípios com redução populacional. Já no grupo de municípios entre 100 mil e um milhão de habitantes, está presente a maior proporção de municípios com crescimento superior a 1% ao ano. Os municípios com mais de um milhão de habitantes concentram crescimento entre zero e 1% ao ano.

Deixe sua opinião