Dengue: para não correr riscos
Publicado em 15/05/2015

Editorial

Foto: Cecília Ferreira/Especial FS

por Felipe Valduga
felipelvalduga@gmail.com

Apesar do surto de dengue quem vem sendo registrado no país – mais de 460 mil casos da doença foram detectados, segundo divulgação do Ministério da Saúde - , e com certo impacto no Rio Grande do Sul, em especial na região Norte, a Rainha da Fronteira vem podendo comemorar até o momento, já que nenhum diagnóstico nesse sentido foi constatado.
Mas, por outro lado, esse fato não pode, nem deve, diminuir as ações de prevenção. A Vigilância Sanitária, conforme nota publicada ontem, reiterou que mantém intensas vistorias pela cidade. O coordenador do órgão, Daniel Teixeira, garantiu que três equipes, com um total de 21 agentes, trabalham no combate ao transmissor da dengue: o mosquito Aedes Aegypti. De acordo com ele, caso algum foco seja identificado, a área é isolada, monitorada e o serviço encerra com a aplicação de larvicida.
E isso, de fato, é essencial. Até porque, vale lembrar, mesmo que a doença não tenha sido registrada, possíveis focos de proliferação do mosquito já surgiram: foram 19 até agora. Bem mais que no ano passado, quando apenas três pontos foram citados.
Ou seja, o trabalho de prevenção por parte dos órgãos públicos é fundamental, mas a colaboração da sociedade tem que ter o mesmo empenho. Ficar atento às dicas e segui-las já é uma boa medida. Afinal, assim, ninguém corre riscos.

Deixe sua opinião