No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Coordenador de Educação detalha prioridades em sua nova gestão
Publicado em 06/09/2019

Geral

O novo titular da 13ª Coordenadoria Regional de Educação, José Adilson Antunes, deve assumir o cargo a partir do dia 16. À reportagem do jornal Folha do Sul, ele explicou que, como atuava como diretor do Departamento Pedagógico da Secretaria Estadual de Educação e é, atualmente, coordenador estadual de currículo, tem algumas atividades a concluir. São demandas referentes ao currículo do Estado, como elucidou. Na próxima semana, por exemplo, ele estará em Brasília em atividades sobre o novo Ensino Médio. Mas esclareceu que até a data em que voltará a Bagé manterá contato com a equipe interina, que segue respondendo pela coordenadoria nos próximos dias, o que, segundo pontuou, já ocorre há algum tempo, uma vez que desempenhava funções que o mantinham em contato com a equipe que atua na coordenadoria. 
Questionado sobre os desafios e a diferença do atual contexto para o período em que foi coordenador da CRE (de 2007 a 2010), o professor elucidou alguns pontos: naquele período, em todas as escolas dos sete municípios que integram a coordenadoria regional, havia mais de 22,8 mil alunos; hoje são pouco mais de 20 mil. Além disso, havia 70 escolas, agora o número não chega a 60. Ele também mencionou que, desde aquela época, a tecnologia avançou bastante; e, por conseguinte, há muitas diferenças no processo de acompanhamento e monitoramento da aprendizagem, da frequência dos estudantes e, ainda, dos registros. Outra diferença relevante foram as alterações curriculares, conforme detalhou. Além do currículo do Ensino Fundamental, a partir de 2020 haverá o novo Ensino Médio. E ele explicou que após quase 10 anos do período em que esteve à frente da CRE, será preciso rever a realidade da região, fazer uma análise das escolas - tanto da situação física como de recursos humanos; e ainda dos resultados de aprendizagem e dos índices de desenvolvimento da educação básica de cada uma das escolas. O professor defendeu a necessidade de acompanhar e monitorar as taxas de abandono e evasão, e fazer a análise das motivações, daquilo que leva o aluno a abandonar a escola. Entre os objetivos principais do profissional,  ao "reconhecer a realidade", está o de elencar quais são as prioridades de atendimentos, as necessidades mais urgentes, sejam elas de estrutura ou recursos humanos, como argumentou. 
Ele ainda mencionou a importância do acompanhamento, do fortalecimento do regime de colaboração com os sete municípios da região, no que diz respeito ao transporte escolar e também a formação continuada de professores e da implementação dos novos currículos para o Ensino Fundamental e Médio. "Essa caminhada que estamos retomando na região me deixa muito satisfeito, muito feliz. Em 2007, fui indicado pela então secretária Marisa Abreu. Hoje, passei por um processo seletivo. Muitas pessoas se inscreveram, muitas foram entrevistadas, avaliadas; e eu tive a honra de ser melhor avaliado nesse processo seletivo. Não estou assumindo a coordenadoria por uma indicação política, mas por um processo seletivo que identificou competências e habilidades, e um perfil de liderança necessário, adequado às necessidades do atual governo, da política educacional que pretende desenvolver", argumentou.

Deixe sua opinião