Conselho Monetário Nacional aprova medidas para auxiliar agricultores atingidos por eventos climáticos
Publicado em 01/08/2020

Rural

Foto: João A. M. Filho

Rainha da Fronteira foi uma das cidades mais atingidas pela seca

Em reunião por videoconferência realizada, ontem, com o secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Covatti Filho, além de autoridades e representantes de entidades do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, a ministra da Agricultura Tereza Cristina anunciou as medidas aprovadas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) que beneficiam o setor agrícola, especialmente a agricultura familiar.

Entre as decisões do Conselho está a autorização para que as instituições financeiras renegociem as parcelas e as operações de crédito rural de custeio e de investimento, vencidas ou vincendas no ano de 2020. Inclusive, aquelas que já foram objeto de prorrogações anteriores, contratadas pelos produtores rurais e pelas cooperativas de produção agropecuária que tiveram prejuízos em decorrência da seca ou estiagem.

Os produtores devem estar em municípios que decretaram emergência ou estado de calamidade pública no período de 20 de dezembro de 2019 a 30 de junho de 2020, reconhecida pelo governo estadual, de que trata a Resolução nº 4.802/2020. A medida amplia o número de municípios e de produtores beneficiados, dado que, até então, a resolução somente alcançava os municípios cujos decretos tenham sido emitidos entre 1º de janeiro e 9 de abril de 2020. O município de Bagé foi uma dessas cidades gaúchas que demandou essa situação devido aos prejuízos causados pela severa estiagem.

“Vem em boa hora, pois a medida possibilita que agricultores e pecuaristas de mais 111 municípios gaúchos possam acessar medidas do governo federal, como renegociação de custeio e investimento”, avaliou o secretário Covatti Filho.

Ciclone bomba e Covid-19

O Conselho Monetário Nacional decidiu reduzir a taxa de juros para agricultores prejudicados pelo ciclone bomba na região Sul entre os dias 30 de junho e 1° de julho de 2020. O CMN deu autorização aos agentes financeiros para que os agricultores familiares enquadrados no Pronaf, cujas atividades foram prejudicadas pelo ciclone, possam acessar o crédito de custeio e investimento com as taxas de juros mais baixas aplicadas ao programa (2,75% a.a.), no decorrer de todo o ano agrícola 2020/2021.

Com relação à pandemia da covid-19, o Conselho definiu a prorrogação, de 15 de agosto de 2020 para 15 de dezembro de 2020, do prazo de vencimento das parcelas de operações de crédito rural de custeio e investimentos de mutuários, cujas atividades foram prejudicadas pelas medidas de distanciamento social. Também foi aprovada a elevação dos limites de crédito de industrialização para agroindústria familiar, no âmbito do Pronaf.

Deixe sua opinião