No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Canil do 6º RPMon
Cães desempenham trabalho primordial no combate ao crime e ao tráfico de drogas
Publicado em 08/10/2019

Segurança

Foto: Divulgação/FS

Áthos, Luna, Airon e Argos

Áthos, Luna, Argos e Airon - esses são os nomes dos cães que fazem parte do canil do 6º Regimento de Polícia Montada (6ºRPMon). A reportagem do jornal Folha do Sul foi até o canil, coordenado pelo comandante do Pelotão de Operações Especiais (POE), primeiro-tenente Marcos Ulisses Lopes, que explicou a rotina dos animais, que fazem a diferença na atuação da Brigada Militar em Bagé e toda área de abrangência do regimento.
Logo na chegada, pôde-se observar que os animais são equilibrados. Destacando-se pela agilidade, porte, beleza e obediência. Eles sabem que, dependendo da situação, têm que estar em estado de alerta e pronto para agir.
O canil começou as atividades em Bagé no dia 6 de junho de 2010. Os veteranos Áthos e Luna já acompanharam os policiais militares em diversas operações e ações de combate ao tráfico de drogas. Hoje, eles estão próximos da aposentadoria. “Temos dois cães em treinamento, o Airon e o Argos; além de dois que são carga da Brigada – o Áthos e a Luna. Os mais velhos já estão com mais de nove anos, próximo de se aposentar, inclusive, os novos já estão participando de operações”, explica o tenente Marcos.
O Argos, que é um Pastor-alemão de porte grande, está com um ano e meses; o Airon, que é um Pastor-belga Malinois, está com dois anos e seis meses, ambos já participam de ações de combate ao tráfico. “Algumas instituições solicitam a participação do canil. Já utilizamos os cães em operações da Polícia Civil, Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Exército brasileiro”, salienta.
Dos quatro cães, dois são de faro e dois de policiamento. “Os de faro são utilizados, principalmente, para encontrar drogas durante abordagens de veículos ou cumprimento de mandados; os de policiamentos são utilizados em praças, eventos como jogos de futebol, entre outros. São cães de ataque. O Argos por ser um cão de porte maior estamos treinando ele para busca e captura”, explicou o comandante do POE.
O treinamento é feito pelos adestradores, que são policiais militares. Ontem, quando a reportagem esteve no canil, além do primeiro-tenente Marcos, o soldado Kader, que é um dos adestradores estava no local. “O Argos veio do canil de Charqueadas. Ele já estava sendo treinado lá para busca e captura. Aqui, o soldado Kader está aprimorando ele”, conta.
Ele está em um treinamento bem avançado, inclusive, poderá auxiliar na busca e captura de foragidos que se escondem no matagal, por exemplo. “Já nos escondemos na mata e deixamos um vestígio para ele, como um pano com o cheiro da pessoa e ele encontrou. É um cão com potencial”, garante.
Para o Áthos e a Luna, está se aproximando a época de aposentadoria. “Tem um processo administrativo; comunicamos que o cão não será mais utilizado pelo canil, pois já está com uma certa idade. Geralmente, eles vão para adoção. Na maioria das vezes, quem adota é o próprio adestrador ou algum outro colega da Brigada Militar. Os mais velhos, como a Luna, por exemplo, não usamos mais ela em operações da polícia. Mas, sim, em apresentações em escolas ou praças. Ela faz toda a pista de treinamento perfeitamente”, completa.
O canil foi implementado devido à necessidade de um apoio especializado nas ocorrências de tráfico de drogas. “Os cães nos auxiliam de maneira satisfatória, inclusive, apreendemos grandes quantidades de drogas com o apoio dos cães de faro. O canil é primordial para nós aqui. Além disso, outras cidades da região, que pertencem ao 6º RPMon, solicitam apoio para ações de cumprimento de mandado e tráfico de drogas”, comenta.
O soldado Kader explica que os cães são treinados diariamente, até para manter o ritmo, tanto na parte de encontrar entorpecentes quanto guarda e proteção.
Os cães da Brigada Militar são empregados para farejar armas e drogas, além de patrulha, busca e captura e intervenção em presídios. Também demonstram obediência e interação com o público, como em escolas e praças. Há muitos casos que o animal sacrifica a própria vida se necessário para defender o adestrador ou para cumprir uma missão, fazendo aquilo para o qual foi treinado.
Algumas ações
Em março deste ano, por exemplo, a Polícia Civil desencadeou a Operação São Cristóvão. No dia da ação, o bairro Balança amanheceu sitiado com a presença de 24 militares do Exército fechando os acessos, 73 policiais civis de Bagé e região, oito policiais militares, um cão rastreador do canil do Pelotão de Operações Especiais. Além de prisões, drogas e armas foram apreendidas.
Em fevereiro, policiais militares do 6° RPMon visitaram a Casa da Menina e ministraram uma palestra sobre projetos sociais, tais como, Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd) e Pelotão Mirim da Brigada Militar. Na visita, foi feita uma apresentação do canil do 6° Regimento de Polícia Montada, com cães de faro e de guarda.
Em 2018, uma das ações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), onde abordaram uma Kombi e identificaram cinco tripulantes. Deles, três possuíam passagens policiais envolvendo entorpecentes. Diante dos fatos, foi realizada revista policial e, em uma das bagagens, certa quantidade de maconha.
Em revista pessoal a outro tripulante, os policiais encontraram mais drogas. Acreditando haver mais ilícitos no veículo, a PRF solicitou o apoio do canil da Brigada Militar.  Em nova busca, o cão Airon localizou, dentro de um dos faróis do veículo, mais uma quantia de maconha. Ao todo, foram apreendidos 33,3 gramas de entorpecentes.
No Bagé Pet Show, em 2018, que aconteceu na praça da Estação e reuniu centenas de pessoas, o canil do 6º RPMon participou com apresentação de material e demonstração com o cão Airon, que realizou algumas atividades de proteção e faro.
Na ocasião, também foi possível a comunidade bageense se informar sobre o trabalho desenvolvido pelo canil da Brigada Militar, sendo oportunizado aos frequentadores do local, principalmente crianças, o contato com a docilidade e a inteligência de Airon. Os soldados Renata Alves Branco e Luís Carlos Centena Júnior atenderam à população. Esses foram apenas alguns exemplo de ações desenvolvidas pelo canil.

 

Deixe sua opinião