No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Bagé é beneficiada em programa federal para escolas cívico-militares
Publicado em 06/09/2019

Geral

Foto: Antônio Cruz/AB/Especial FS

Bolsonaro lançou projeto, ontem, no Palácio do Planalto

O governo federal lançou o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim), ontem, em cerimônia no Palácio do Planalto. Com o objetivo de promover a melhoria na qualidade do ensino na educação básica, a meta é implementar 216 escolas em todos as unidades da federação até 2023.
Conforme a Agência Brasil, as escolas cívico-militares são instituições não militarizadas, mas com uma equipe de militares da reserva no papel de tutores. De acordo com o Ministério de Educação, os militares atuarão na disciplina dos alunos, no fortalecimento de valores éticos e morais, e na área administrativa, no aprimoramento da infraestrutura e organização da escola e dos estudantes. As questões didático-pedagógicas continuarão atribuições exclusivas dos docentes, sem sobreposição com os militares, e serão respeitadas as funções próprias dos profissionais da Educação, que constam na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.
Neste ano, 54 escolas serão contempladas com o programa, em formato piloto, duas em cada estado. A indicação das instituições deverá ser feita pelos estados até 27 de setembro. Os colégios devem ter de 500 a mil alunos do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental e/ou Médio.

Recurso para escola São Pedro
Em Bagé, já está funcionando como projeto-piloto as duas escolas cívico-militares, nas instituições São Pedro e João Severiano. A inauguração oficial vai ocorrer no próximo ano.
Conforme a secretária municipal de Educação e Formação Profissional, Adriana Lara, a Escola São Pedro será contemplada com verba do programa do governo Federal lançado, ontem, em Brasília. 
A secretária esclarece que mesmo que seja apenas uma a receber recurso federal, as duas instituições de ensino têm o mesmo padrão de qualidade. Segundo ela, foi possível inserir uma das duas escolas no programa federal devido à articulação política e influência do prefeito Divaldo Lara no governo do presidente Jair Bolsonaro. “Vamos tentar inserir a cívico-militar Dr. João Severiano também”, adiantou a secretária.
Adriana informou que hoje, os 10 monitores serão apresentados nas duas escolas. São profissionais que atuaram, por exemplo, nos Bombeiros Mirins, Brigada Militar Mirim e Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd). Todos com experiência no trabalho com crianças.

Deixe sua opinião