Covid-19
Bagé atinge 15 casos confirmados e prefeito anuncia mais ações drásticas para contenção
Publicado em 31/03/2020

Geral

Foto: João A. M. Filho

Com seis novos casos confirmados de infecção pelo vírus Sars-CoV-2, entre domingo e segunda-feira, Bagé atingiu o total de 15 pessoas contaminadas por Covid-19. Com isso, serão instaladas barreiras sanitárias para quem chega e quem sai do perímetro urbano. Desde o início da pandemia no Estado, Bagé segue em segundo lugar, atrás somente de Porto Alegre, desde a confirmação dos primeiros casos. Com isso, o prefeito Divaldo Lara concedeu entrevistas à imprensa e disse que pretende fechar a cidade. Isso quer dizer que, na prática, será imposto um cordão sanitário nos acessos a quem chega e sai de Bagé, por tempo indeterminado. Também atenderam à imprensa o titular da 7ª Coordenadoria Regional da Saúde, Ricardo Necchi, e o secretário da Saúde e Atenção à Pessoa com Deficiência, Mário Mena Kalil.

Em entrevista a programa de rádio, Divaldo ressaltou a cobrança às autoridades estaduais, para que o apoio seja ampliado imediatamente: “As ações não estão chegando na ponta (municípios) e, neste momento, não se pode tratar igualmente os desiguais. Bagé vive uma situação diferenciada e precisa da atenção urgente do Estado”, alertou.

Barreiras sanitárias

Conforme o Executivo, a partir da confirmação, inicia uma nova fase para conter o coronavírus, com apoio do Exército brasileiro, serão montadas barreiras para limpeza e desinfecção de veículos leves, de carga do transporte coletivo. “Será feita a desinfecção na entrada e saída, com acompanhamento de equipes de saúde”, declarou.

Isolamento total

Divaldo disse que por mais sete dias, conforme orientação da secretaria de saúde local e do governo do Estado, será mantido o isolamento total do município, em razão da confirmação do primeiro caso comunitário de transmissão do Covid-19.

“Extremamente preocupados”

Para Necchi, são três vias de contaminação. Porém, em uma delas, o paciente zero, que apresentou os sintomas, não pôde ser determinado. “A primeira via é de um médico da Santa Casa de Caridade de Bagé, que esteve no Rio de Janeiro. A segunda via é de outro médico, vindo de Porto Alegre, que atendeu também na Santa Casa. Na terceira via é uma contaminação comunitária – infecção local, que não conseguimos identificar o caso zero. Isso nos deixou extremamente preocupados, pois o vírus está circulando na comunidade”, alertou.

Segundo dados obtidos pela editoria de Segurança do jornal Folha do Sul, a terceira via de contaminação é um detento do Presídio Regional de Bagé, que foi confirmado ontem que está com o vírus e foi hospitalizado desde 18 de março, sem escolta, apenas com tornozeleira eletrônica. No dia 26, o homem foi direto para prisão domiciliar, permanecendo com a tornozeleira.

Divaldo afirmou que a situação é gravíssima em razão do alto número proporcional de infectados. “É preciso apoio do governo do Estado para que não tenhamos uma contaminação regional”, complementou.

Outra situação que foi destacada é que cerca de 50 profissionais da saúde essenciais aos serviços neste momento estão afastados por terem contato direto com o paciente zero do município. Além disso, nove entre os 15 casos confirmados tiveram origem na Santa Casa de Caridade de Bagé – cinco médicos e quatro outros profissionais.

Terceira etapa de vacinação

Bagé deve reiniciar o processo de vacinação amanhã, já que o município prevê a chegada de mais quatro mil doses da vacina contra a gripe. Segundo Kalil, a meta é vacinar mais idosos e aumentar o número da população imunizada contra o vírus Influenza, que tem sintomas semelhantes ao coronavírus.

Até o momento, são 8,4 mil vacinas aplicadas e o prefeito frisou que o atendimento não será feito nos postos de saúde, para evitar aglomerações e também o acesso às vias de contágio, pois o Sars-CoV-2 já é considerado como circulante entre a população de Bagé.

Deixe sua opinião