Ativistas ressaltam importância do debate pela preservação ambiental
Publicado em 05/06/2020

Geral

Foto: Divulgação/FS

Hoje, comemora-se o Dia Mundial do Meio Ambiente, data em que a sociedade global reflete sobre a relação dos homens para com a natureza. Reconhecidas pela luta em defesa do meio ambiente, em especial ao rio Camaquã, as irmãs Ângela Márcia e Vera Marisa Colares, produtoras do distrito de Palmas, interior de Bagé, aproveitam a data para destacar o foco nas ações que têm desempenhado desde 2016.

Apesar do momento que vivemos, continuamos participando de seminários virtuais, reuniões por videoconferência e ações de mobilização para a defesa do nosso Pampa. Estamos acompanhando o andamento do Projeto Caçapava do Sul (da Nexa Resources, antiga Votorantim Metais, que pretende instalar mina a céu aberto para extrair zinco, cobre e chumbo, em região próxima ao rio Camaquã). Inclusive, está no site da Fepam, aguardando o posicionamento do órgão, mas isso não interfere diretamente nas nossas ações, que nunca arrefeceram desde que tomamos conhecimento da ameaça sobre o rio Camaquã e o Pampa”, afirma Ângela Márcia.

Questionadas sobre o tema e a necessidade de discuti-lo nos dias atuais, Vera Marisa ressalta que ela não é relativamente nova, mas, para as famílias que vivem no campo, essa preocupação sempre existiu, conforme fica comprovado, segundo ela, o nível de conservação das áreas ocupadas pela pecuária familiar. “Esse cuidado era passado de pai para filho. Um conhecimento e reconhecimento de que não sobreviveríamos sem um ambiente preservado e saudável. Essa é uma missão transmitida de gerações em gerações, com a consciência de que será uma luta interminável, mas da qual não pretendemos recuar”, declara a produtor rural.

Segundo Vera, no momento em que pessoas e empresas, sem vínculo afetivo com a região delas, viram os recursos naturais abundantes apenas como uma fonte de geração de renda que pode ser exaurida e abandonada, houve a necessidade em "adotar uma posição mais atuante na defesa do meio em que vivemos, por isso o debate ganhou as ruas das cidades mais recentemente e as comunidades rurais. A conservação da nossa região não é fruto de política estatal, é decorrente do modo de viver realmente sustentável desenvolvido pelos moradores há séculos. Hoje, a palavra sustentável se tornou corriqueira e atrelada a qualquer empreendimento que queira ser visto positivamente pela população, mas não podemos permitir essa banalização”, pondera.

Por sua vez, Ângela Márcia reitera que a discussão acerca do meio ambiente não pode ficar restrita a uma data, pois ela é uma questão urgente, um caminho sem volta para a sociedade atual. “Precisamos ficar atentos ou seremos, em breve, também uma espécie em extinção. Nada é por acaso, e o grave momento que enfrentamos na saúde, provavelmente é fruto da ação humana inconsequente e destrutiva com o ambiente em que vive. O ataque ao rio Camaquã nos sacudiu fortemente. A forma como as coisas foram e estão sendo feitas nos acordou para o fato de que essa é uma luta que a sociedade precisa encarar e assumir, pois não podemos terceirizá-la para instituições ou órgão do governo. Também nos mostrou a importância da união e da pesquisa científica para desmistificar informações e torná-las acessíveis a todos, como podemos ver nas audiências públicas que participamos, com participação de diversas universidades e órgãos técnicos”, enfatiza a moradora de Palmas. 

Município prepara ações para hoje

A Secretaria de Meio Ambiente e Proteção ao Bioma Pampa (Semapa) preparou uma série de vídeos que serão postados na rede social da pasta. Nas postagens serão dadas dicas de como ajudar a preservar o meio ambiente. Ações de como evitar problemas ambientais, conscientização de descarte de lixo, como economizar água, entre outros. O gestor da pasta, Heráclito Moreira (Tato), falou que os principais motivos em comemorar esta data é mostrar para as pessoas as questões ambientais. "Este dia alusivo foi criado para promover a compreensão nas pessoas da importância de mudarmos nossas atitudes em relação ao uso dos recursos do meio ambiente e a Semapa procura exercer o seu papel em auxiliar a população neste quesito", elucida Tato.

Box – Histórico


O 5 de junho é conhecido como o Dia Mundial do Meio Ambiente. A data foi definida em uma conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) realizada em Estocolmo, em 1972, com o objetivo de chamar a atenção para os problemas ambientais e para a importância da preservação da natureza.

Deixe sua opinião