Aplausos - 26 de maio de 2020
Publicado em 26/05/2020

Social

Foto: Divulgação/FS

Marchand Nicholas Bublitz ( foto divulgação)

MAGIA DOS TAPETES ORIENTAIS

A MILENAR arte da confecção dos tapetes orientais sempre atraiu estudiosos como o especialista nesse assunto, Nicholas Bublitz.  Assim escreveu o inglês Ian Bennetti: “Em geral, as pessoas conhecem os quadros, o mobiliário e os objetos decorativos  que compõem os ambientes da residência delas, mas parecem ignorar o que cobre e embeleza os pisos por onde elas cruzam.”

SEM DÚVIDA, os tapetes orientais são fascinantes pela variedade de padrões decorativos que apresentam. Segundo historiadores, a confecção desses tapetes teve início no Egito dos faraós e, provavelmente, a técnica era conhecida pelos chineses. O tapete mais antigo do mundo é o famoso Pazyryk, de cerca de 500 a.C., descoberto há décadas numa região de Sibéria.      

1) Existem apenas dois tipos de nós (os fixos verticais) e os da trama (fios horizontais). E depois disso o que acontece?

Nicholas Bublitz - Sim, dois tipos de nós são empregados para fazer os tapetes orientais: o ghiordes ou turkbâf (também conhecido por nó turco)  e o nó senneh, ou farsbâf (também conhecido por persa). Existem quatro tipos de teares nos quais são feitos os tapetes: o tear horizontal, o tear vertical fixo, o tear vertical do tipo tabriz e o tear vertical feixe do rolo, não entendi bem tua pergunta... não sei se a resposta está clara....

 2) Que materiais mais empregado na tapeçaria oriental?

Nicholas Bublitz -  Os tapetes orientais são feitos basicamente de  três materiais: em geral lã, e alguns tapetes lã e algodão. A seda é usada para a confecção de tapetes mais delicados para parede, ou para realçar alguns detalhes do desenho em tapetes de lã e algodão.

3) E os corantes empregados em tão belos desenhos; eles são naturais ou sintéticos?

Nicholas Bublitz  - Antigamente os corantes eram todos naturais. Até 75 anos atrás, só se usavam corantes vegetais. O governo iraniano proibia o uso de anilinas europeia, sendo os infratores punidos com a destruição da manufatura e o corte da mão direita. Depois da Primeira Guerra Mundial, com a evolução da indústria química, os corantes artificiais, principalmente aqueles produzidos na Suíça e Alemanha, passaram a ser adotados por fabricantes de tapetes orientais, ficando apenas as tribos nômades o uso dos corantes naturais.

4) As cores, qual o valor simbólico delas?

Nicholas Bublitz -  Cada tonalidade tem um certo simbolismo, com o vermelho representando o verão ou fogo, o branco, o outono, enquanto o negro evocava a noite e o inverno, o azul, a primavera e a água. Raramente, o tapeceiro usaria verde, cor sagrada do islamismo, a não ser para um tapete de prece.

 5) Os desenhos – florais, geométricos, dragões – variam conforme a região onde são tecidos esses tapetes?

Nicholas Bublitz -  Em geral, os tapetes florais são feitos em cidade, e os geométricos por tribos nômades, havendo exceções. A natureza foi e é a grande inspiradora da arte da tapeçaria. Flores, árvores, pássaros e animais aparecem colorindo os tapetes, geometrizados, deformação imposta pelo próprio mister da tecelagem que transforma uma curva numa sucessão de traços e linhas cortadas. Mas mesmo assim, pode-se enxergar galos, animal mágico que evitava o mau olhado, cachorros, gatos, pássaros, faisões, tarântulas, diversas flores ou broto da palma da Cachemira, que traz consigo a realização dos desejos, flor de lotus significam felicidade e fertilidade, o íris que representa  a liberdade religiosa e muito mais.....

 6) Os nomes dos tapetes indicam a região onde foram, confeccionados?

Nicholas Bublitz – Claro, os nomes dos tapetes indicam a cidade ou região de onde procedem ou das tribos que os fabricam.

7 - Mas, por que a grande maioria das pessoas chama tapete oriental de persa?

Nicholas Bublitz  - Na realidade, as pessoas chamam tapetes orientais de persas, porque foi na antiga Pérsia que foram confeccionados os mais importantes e valorizados tapetes orientais do mundo e que se criaram os mais famosos desenhos e padronagens.

1)   Em Bagé, quem vende os tapetes da tua empresa-importadora?

Nicholas Bublitz – Muito oportuna tua pergunta, atualmente, na Az Galeria, da Ângela Zafari.  Em Porto Alegre, tenho galeria de arte na avenida Neusa Goulart Brizola, 143 e meu escritório na rua Vicente da Fontoura, 2583. Também atendo pelo telefone (51)  3029  0112.

Deixe sua opinião