Aplausos 02-11-2019
Publicado em 02/11/2019

Social

Foto: Divulgação/FS

Neusa Maria, José Carlos Teixeira Giorgis e Clarisse, no Rio de Janeiro

NEM tão prima, nem tão vera é o título desta poesia de Norma Vasconcelos. Aliás, estes dias primaveris estão “nem tão prima, nem tão vera”, meus queridos!

“Vens acordar os caminhos

Nada sabes de calendários e milênios

Não toleras teorias

Te guia apenas

O teu afã de flor

 E a mão da luz, esse clarim.

Cheiro de bambus recém-chovidos

 Tarde de grinaldas

Vai casar na igreja

Das turvas entradas da terra

A súbita revelação dos trevos

E esse cacoete muito meu

De pensar nos mortos

Na pele, no amado dos mortos

Que aqui não estarão para sagrar

Teus veludos, tuas sedas, tuas gazes de papoula

O cheiro de frísea e junquilhos 

Que nos assalta no peito

A lua nova de setembro

Que faz cama no teu ombro.

Uma maçã madura

Morava no ventre da terra

E não sabíamos.” (Vasconcellos)

ASSIM que regressou da temporada no Rio, já instalado no confortável escritório de seu bem decorado apartamento em Porto Alegre, o desembargador José Carlos Teixeira cumpriu a promessa que me fez de mandar alguns itens da extensa atuação dele no curso de Direito, criado por decreto federal em 1969, na então, Faculdades Unidas de Bagé (FunBa), hoje, Urcamp, há 50 anos.

“Gilmar, sou dos remanescentes dos primeiros choros da Faculdade de Direito de Bagé. Antes que iniciassem os estudos jurídicos propriamente lecionei Antropologia Cultural para o grupo precursor na etapa que se denominava “Ciclo Básico”. Fui acomodado mais adiante em “Ciências das Finanças”, disciplina que hoje não consta mais do currículo. E, finalmente, em Processo Penal que exerci até a transferência para Porto Alegre. Isso significa que vivi os “tempos românticos” dessa instituição, etapa assim chamada pois momento de pioneirismo, dos primeiros projetos e da dedicação intensiva; das primeiras lições de alguns professores que estreavam no magistério; da atenção e alegria de alunos neófitos a quem se desvendavam outros dogmas; dos instantes de afetuosa camaradagem e integração. [...]. Aplausos!

REDAÇÃO Enem amanhã (3). Sugestão desta social para usar na hora de escrever texto dissertativo-argumentativo. Quem tem competência textual leva vantagem até mesmo sobre aqueles que sabem muito sobre o tópico que irão escrever, mas não têm tal capacidade.  O repertório bem articulado com a discussão é o que mais conta para atingir nota acima de 900. O autor do texto pode defender a tese que quiser, desde que bem fundamentada e que respeite os direitos humanos.  Outra, jamais crie frases extensas para evitar sentidos confusos que resultam em entendimento complexo. Observe quantas palavras-chave aparecem no texto motivador e as inclua no que escrever, não basta apenas uma delas aparecer na sua redação; se isso ocorrer você estará tangenciando o tema proposto.  Os mecanismos de ligação das ideias entre frases e parágrafos; os pronomes relativos corretos garantem pontos na competência número quatro, a dos mecanismos linguísticos necessários para uma argumentação coesa e coerente.

FEIRA DO LIVRO Sesc/Bagé, em parceria com a Secult e a prefeitura, de 6 a 10, no Largo do Centro Administrativo. Um dos melhores momentos deste evento será, com certeza, pelos integrantes do Cultura Sul que vão homenagear Rafaela Ribas com poesias que eles escreveram para ser recitadas na “festa dos livros”. Acreditem que Rafaela está saltitante lá no céu com está manifestação de carinho de seus amigos poetas.  Aplausos! 

POR FALAR em livro, Hiago Freitas, de 22 anos, autografou, quinta-feira (31), na Leb, "A Última Mensagem". Ele declarou na oportunidade: "Sempre foi algo natural na minha vida. Claro, junto ao exercício diário da leitura; enfatizou também: “aqueles que têm o desejo de escrever precisam ler - e muito - primeiro. “Especificamente sobre A Última Mensagem, a obra é o resultado de todas as histórias de espionagem e poder que sempre espreitaram a imaginação. Segundo o autor, é um livro que atinge variados públicos, do juvenil ao adulto. Em síntese, "é um romance ficcional sobre um mundo que vive uma batalha silenciosa entre duas organizações antagônicas". De um lado, ressalta, está a ordem; do outro, o caso. Todos os habitantes do planeta estão influenciados pelo rumo dessa guerra, mas poucos sabem o que está acontecendo. Aplausos! 

NOVEMBRO traz duas agendas significativas de encontros de ex-colegas, sempre amigos. Dia 15, “Pequenos Cantores”, Coral Colégio Silveira Martins, anos 60/70 vão confraternizar; dia 16, ex-alunos do Colégio Espírito Santo – em todos os tempos – vão brindar a excelência mantida até os dias atuais dessa tradicional escola bageense, uau!  

 

Deixe sua opinião