No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Os Oito Odiados - The Hateful Eight - EUA (2016)
Publicado em 15/01/2016

Ricardo Beleza

E-mail:
Cidade: Bagé / RS
Jornalista e crítico de cinema
Ricardo Beleza

Foto: Alicia Ibañes/Especial FS

Faroeste escrito e dirigido por Quentin Tarantino.
Em mil oitocentos e alguma coisa no Estado de Wyoming, após a Guerra Civil Americana ou Guerra de Secessão (1861-1865), sete homens e uma mulher ficam ilhados durante a noite, devido a uma forte nevasca, em um armazém onde as diligências paravam entre uma cidade e outra. Entre eles estão dois caçadores de recompensa, uma prisioneira, um cowboy, um mexicano, um general sulista, um carrasco inglês e um xerife.
Como não poderia deixar de ser em um filme de Tarantino, Os Oito Odiados já começa com referências a outras produções cinematográficas, nesse caso a alusão é ao filme “Agonia e Glória” (1980), de Samuel Fuller, e sua famosa abertura com uma gigantesca cruz de madeira e um Cristo entalhado nela. A partir daí dá-se início a um quiz de citações de outros filmes para rachar a cuca. Tanto nos diálogos - sempre bem sacados e, às vezes engraçados -, quanto nas cenas, planos, ou na trilha sonora. Ressaltando que, neste filme, que é visivelmente influenciado por Sergio Leone, que foi o mais bem sucedido diretor de westerns spaguetti, o “diretor-fã” chamou nada mais nada menos que Ennio Morricone para compor a música.
Morricone foi responsável pelas trilhas sonoras clássicas dos faroestes italianos de Leone, como a de “Três Homens em Conflito” ou “O Bom, O Mal e o Feio” de 1966.
Tal como nos filmes de Leone, em “Os Oito Odiados” não há heróis e sim anti-heróis.
A diretora de figurino e atual namorada de Quentin, Courtney Hoffman, dá um show, mostrando que sempre há coisas novas para mostrar, mesmo em se tratando de um estilo clássico como o faroeste.
Nos diálogos, o maior assunto é sobre intolerância racial, sexual e política.
Talvez essa produção seja a mais difícil de ser compreendida e aceita pelo grande público desde o seu primeiro longa-metragem “Cães de Aluguel” (1992). E isso é um grande mérito. O filme foi feito para fanáticos por cinema e fãs de carteirinha de Quentin Tarantino.  Esse é o oitavo filme dele e, para quem desprezá-lo, vale lembrar que o ultra longa-metragem de mais de três horas foi feito em 70mm (ultra Panavision 70) que, infelizmente, vai ser exibido nesse formato em poucas salas devido ao sistema de projeção - eu mesmo vi no formato digital. A fita de 70 mm foi feita na década de 50 e é superior a de 35mm, que foi usada na maior parte dos filmes antes do advento do cinema digital. Voltando a quem ainda desprezar "Os Oito Odiados" vale também lembrar que Tarantino filma no estilo da velha escola (old school), em que o roteiro é escrito à mão, a neve é de verdade e se usa somente uma câmera...
No elenco principal temos: Samuel L. Jackson, Kurt Russell, Jennifer Jason Leigh,Walton Goggins, Demián Bichir, Tim Roth, Michael Madsen e Bruce Dern.

Dedico a coluna de hoje a não violência e à paz na cidade de Bagé. Se quiserem extravasar algo, temos os filmes e as artes marciais. Um bom fim de semana a todos.

Deixe sua opinião