No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

O Filho de Saul - Hungria - (2016)
Publicado em 13/05/2016

Ricardo Beleza

E-mail:
Cidade: Bagé / RS
Jornalista e crítico de cinema
Ricardo Beleza

Foto: Alicia Ibañes/Especial FS

Drama de guerra sobre o holocausto dirigido por László Nemes.
Em 1944, no campo de extermínio de Auschwitz, o judeu húngaro Saul Ausländer (Géza Röhrig) é forçado a trabalhar no sonderkommando (denominação dada a grupos de prisioneiros que atuavam em campos de concentração nazistas a comando destes). Eles tinham como função a execução das tarefas mais críticas, tais como enterrar os corpos dos prisioneiros mortos, limpeza das câmaras de gás e outros serviços aos quais os servidores alemães não gostariam de executar. Devido à condição de grupo especial, tinham alguns privilégios e, para manter o sigilo das execuções, eram mantidos separados do restante dos prisioneiros. Um dia, Saul encontra seu filho enquanto limpava uma câmara de gás, esconde-o e, a partir daí, sai à procura de um rabino para dar-lhe um enterro digno.
Acho que esse foi o filme mais impactante já feito sobre o holocausto nazista da Segunda Grande Guerra a que assisti. A câmera é muito bem utilizada, fazendo com que o espectador faça parte da cena. As sequências que exibem a nudez no extermínio são desfocadas para não explorar esse tipo de coisa. As atuações são incríveis, destacando o protagonista Géza Röhrig, que está impressionante no papel do sofrido, torturado e obstinado Saul. Tudo é perfeito no filme para causar exatamente o que o diretor pretendeu e conseguiu mostrar, ou seja, o que acontecia no dia a dia de Auschwitz. O Filho de Saul ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro este ano e não foi para menos, ficando acima até de produções milionárias hollywoodianas a meu ver. Espero que esse filme sirva de documento na memória do ser humano para sempre, a fim de que essa barbaridade nunca mais se repita.
Um abraço a todos e um bom final de semana.

Deixe sua opinião