No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Apesar das conquistas, a diferença ainda é gritante
Publicado em 13/07/2019

Meilene Fontes

Meilene Fontes

É preciso reconhecer que o futebol feminino alcançou patamares até pouco tempo inimagináveis, e penso que a maior destas conquistas tem sido a realização de campeonatos mundiais. Em especial, a Copa do Mundo da França mostrou que as mulheres tomaram posse do esporte que por décadas foi de total domínio masculino. Contudo, ainda é insuficiente para tornar a modalidade autossustentável.
Os números comparativos entre o universo feminino e o masculino são gritantes. Um dos exemplos desta realidade está na diferença salarial. Um dia de trabalho do atacante brasileiro Neymar é praticamente equivalente ao que as cinco jogadoras mais bem pagas do mundo recebem em um ano. Outra comprovação faz relação aos rendimentos de Leonel Messi, jogador mais bem pago do mundo entre os homens, que fatura 130 milhões de euros (mais de R$ 564,2 milhões), enquanto que Ada Hegerberg, líder entre as mulheres, recebe 400 mil euros (R$ 1,73 milhões)/ano, segundo apontou a revista "France Football".  
Dentro desta ótica, a maior jogadora de todos tempos, Marta, trava uma verdadeira batalha pela igualdade salarial, além de recusas em novação de patrocínio em razão dos baixos salários, ele usou a última Copa para protestar e mostrar ao mundo que é preciso despertar.
É claro que toda esta diferença não se restringe ao futebol, já que no mercado de trabalho, as mulheres ganham cerca de 80% menos que os homens, embora tenham maior escolaridade e trabalhem mais horas.
Por isso, é preciso seguir sacudindo a sociedade, apoiar toda a qualquer causa que nos coloque em uma condições de paridade.
Assim, vejo com bons olhos o legado deixado pela Copa da França, foi um despertar para tantas causas que devem ser levadas a sério. Esta edição foi a que registrou a menor distância de popularidade em relação ao futebol masculino. Isso prova que o interesse pela atividade feminina e sua valorização está no caminho certo.
O futebol tem sido decisivo neste momento de busca por igualdade de gênero e empoderamento da mulher.


Deixe sua opinião