No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Evolucionismo no futebol
Publicado em 12/09/2019

Maria Angélica Varaschini

Maria Angélica Varaschini

Aproveitando o clima de final da Copa do Brasil, de Atlhetico-PR buscando um título inédito, fico pensando em como o futebol pode ser surpreendente. Talvez, surpreendente não seja a palavra certa, mas evolutivo.

Há uns três ou quatro anos, nem se pensava em ver um time como o Atlhetico chegando a uma final de uma competição tão grandiosa. Um time ‘mediano’, deixando pelo caminho os ‘grandes’ do Brasil. Isso é evolução, é avanço, é organização e planejamento. Isso é graças a pessoas que acreditam, que lutam e correm atrás. De bons profissionais que não medem esforços para dar o melhor. Hoje, podemos dizer que o melhor do futebol nem sempre é o que tem mais dinheiro, o melhor elenco, ou a melhor estrutura, mas, sim, os que sabem se organizar, trabalhar e evoluir.

Digo isso porque vejo o crescimento do técnico Tiago Nunes, que começou pequeno, em Santa Maria, como auxiliar de preparação física e hoje está aí fazendo história, levando o Furacão em patamares nem sonhados, sendo ovacionado pelos torcedores atlheticanos e sendo um dos melhores técnicos brasileiros dessa nova geração.

É clichê falar que no futebol tudo pode acontecer, que o favorito nem sempre vence, mas são verdades e ponto. Para nós, que trabalhamos no interior é tão incrível ver e vivenciar o crescimento de quem começou aqui, começou lá de baixo e hoje está grande.  Crescimento, evolução.

Com tudo isso, volta àquela ideia do futebol feminino, tão pequeno ainda, mas que dá aquela esperança (esperança, não de esperar, mas de esperançar) que mesmo que o caminho seja longo e árduo, pode acontecer, evoluir e crescer. Não é uma comparação, mas é identificar alguns elementos semelhantes que podem dar uma ideia, uma dimensão do que é possível acontecer. Fácil? Nada é, ainda mais no futebol, seja ele masculino ou feminino. Não importa que de 100, apenas um dê certo, o que importa é que há possibilidades, por isso temos que aproveitá-las. Se esse ano, foi da primeira Copa do Mundo Feminina com transmissão em TV aberta,  o que podemos esperar nos próximos? Evolução.


Deixe sua opinião