No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

PAPO DE ELEVADOR - 8 DE OUTUBRO
Publicado em 09/10/2019

Gladimir Aguzzi

Gladimir Aguzzi

Foto: Divulgação/FS

A arte com os “figos”, denominação do poeta Ernesto Wayne, é da Prefeitura no início da década passada

A oposição e o cordeiro
A oposição ao governo municipal, composta por PSol, PCdoB, PT, PSB e Rede, está lançando esta semana o que denominam de BOM (Bloco de Oposição Municipal), com um design gráfico nas cores verde, azul e vermelho, utilizando os “figos” da Catedral de São Sebastião, a marca que a prefeitura pagou há 17 anos. Achei estranho o nome BOM e as cores. PT, PCdoB e PSOL aceitaram o verde? Alguma cabeça pretensamente pensante disse “temos que parecer cordeiros, minimizando o vermelho, enquanto o verde e o azul nos ajudam e nos afastam de sermos lobos”. 

Disfarce
A verdade é que a esquerda reconhece que não tem a simpatia que preconiza ter. O voto se distanciou dos “vermelhos”. Por isso tentam disfarçar quem são e acabam por pintar suas bandeiras de outras cores. O “estandarte” ou a alegoria do recém-inventado BOM é um exemplo disso.  

Frente Popular
O BOM que queria se chamar Frente Popular, mas aí revelaria a todos quem realmente é, utiliza esse nome prosaico autoajuda como parte da estratégia “cordeiro engana-bobo”. Até a simbologia da catedral, aquela paga pelo município, é a mesma dos governos Mainardi dos tempos de Lula livre antes de ser descoberto como criminoso e acabar condenado. Ou seja, o projeto “faremos o diabo para voltar ao poder” usa máscara.

Quem são eles?
Pois, vejam bem e analisem se estou exagerando. Não é suspeito montar um bloco de oposição com o nome “careta” de BOM nas cores verde, azul e vermelho (alguém deve ter brigado para manter o vermelho), com todas as figuras, símbolos e palavras que tentam afastar imagens que lembrem socialismo, esquerda e PT? Claro que é. O plano é esconder quem são, que destruíram o país e que pretendem voltar ao poder sorrateiramente. 
O problema é esconder as pessoas. 

Quando o poder se aproxima
Uma das soluções nessa estratégia de “esconder pessoas” é colocar na linha de frente quem não tem a imagem ou não é do clube esquerda-fantasia, mas gosta de se aproveitar dessas ocasiões em que parece que o poder se aproxima. Tem uns quantos por aí no PSB e no PT.  

Maduro, Lula e Xin Pau Li
A estratégia para as pessoas que estão no bloco, que são conhecidas por seus gritos aos quatro ventos de apoio a Maduro na Venezuela, Lula livre no Brasil e Xin Pau Li num país de foice e martelo ao sul da Cochinchina, é a estratégia Kafka, aquela de afirmação que o ser humano sofre metamorfose. Transforma-se. Faz-se bom. Lembram do “Lulinha Paz e Amor”? Pois é. 

Mudanças estratégicas
Portanto, ou escondem-se as pessoas ou mostram uma imagem de mudança. Quem tem problema com droga, aproxima-se de coisas leves, pratica esporte, come frutas. Quem tem problema com violência doméstica, aproxima-se de mulheres e crianças com ar carinhoso e dócil como o cordeiro, faz o elo com mulheres fortes, uma líder comunitária, uma diretora de ONG ou uma delegada de polícia. Mostrem-se, passeiem com elas. Assim, as imagens mudam aos olhos do povo. 

Panfletão amador
Pois bem. O “bloco” lançou até um panfletão. Um impresso cheio de erros, texto amador, coluna sem assinatura, comentarista fantasma e com sérios problemas de informação. Não sei se sérios problemas ou má-fé e canalhice simples e pura. Exemplo: ao declarar que tem 90% de propaganda da Prefeitura em jornal impresso no Folha do Sul e apenas 10% na concorrência, o “panfletão não quis” informar que houve um edital oficial, legal, para que os jornais apresentassem propostas de preços e certidão negativa de débitos com Município, Estado e União. 

Jornal com apoio
O panfletão também diz que nunca houve tanto apoio da prefeitura de Bagé a um jornal impresso, referindo-se ao Folha do Sul. Lamento informar que houve, sim. Ao Correio do Sul. Bem maior. Imensamente. Publicitária e jornalisticamente maior. 
Tanto que terminou o governo Mainardi e o Correio do Sul fechou. No mesmo dia.

PT e Imprensa
Aliás, essa prática petista com a imprensa é muito conhecida. Posso citar aqui jornais, revistas e blogs patrocinados pelos governos do PT Brasil afora, inclusive, com lista de valores para seus donos. Se eu não incomodar a paciência do leitor posso citá-los nas próximas colunas. Começo pela Carta Capital, passo pela Fórum e termino em um blog mequetrefe como o Brasil 247 ou o Conversa Afiada do finado Paulo Henrique Amorim. São mais de 200.

Outro mundo é possível
Segundo fui informado, a base partidária do governo municipal também deve lançar um bloco de apoio no mesmo dia e local do evento da oposição. Ou seja, dia 10, amanhã, quinta-feira, na Câmara de Vereadores. 


Deixe sua opinião