PAPO DE ELEVADOR - 3 DE ABRIL
Publicado em 03/04/2020

Gladimir Aguzzi

Gladimir Aguzzi

Foto: Reprodução/FS

Bayard, presidente do PV

Último dia
Amanhã é o último dia para que os pretensos candidatos à eleição de outubro estejam devidamente filiados a partidos políticos. Isso se nada de diferente ocorrer devido à pandemia de coronavírus, como a prorrogação do prazo, pelo menos para a filiação de candidatos. 

2020 em 2022
Não faltam partidos ou lideranças políticas que estejam pedindo a prorrogação de prazos e, até mesmo, o adiamento da eleição para 2022, neste caso, juntando tudo num mesmo ano, vereador, prefeito, deputados, senador, governador e presidente. Com isso, os prefeitos atuais terão mais dois anos de mandato sem direito à reeleição. Muito difícil que vingue. 

Vereadores, uni-vos!
No caso de prorrogação, é preciso ver como ficam os vereadores. Isso passa pelo Congresso, óbvio. Os deputados ganham apoio de dezenas de milhares de parlamentares municipais que temos por todo o Brasil. Embora a relutância de outros tantos milhares que pretendem concorrer. Já ocorreu no Brasil algo semelhante há 34 anos. 

Tempos de abertura
Há 34 anos, os vereadores eleitos em 1982 tiveram seus mandatos prorrogados até 88. Em 1985, houve eleição para prefeitos nas capitais e áreas de segurança, com os detentores de cargos nas câmaras municipais permanecendo com os mandatos. Eram tempos de abertura democrática, mudanças de regras, sede de uma nova Constituição e grande euforia por eleição direta para tudo, principalmente para presidente do Brasil, o que acabou ocorrendo em 89. 

Mais 30 dias
Esta semana, o PP solicitou ao STF mais 30 dias para filiar futuros candidatos e mais 30 dias para quem ocupa cargo executivo se descompatibilizar para concorrer. Em Bagé, seria contemplado Cléber Zuliani Carvalho, que era secretário municipal de Desenvolvimento Rural até quarta-feira. Carvalho deve concorrer em outubro pelo PP, seu partido, e, por conta dessa pretensa candidatura, já saiu da secretaria.
 
Alerta de “fake”
O Partido Progressista argumentou para a Justiça que a crise causada pelo novo coronavírus impacta as estratégias e atividades dos partidos para atrair novos integrantes. Até o dia 1º, a ação ainda não havia sido distribuída a nenhum ministro relator, que poderá analisar e conceder liminar de prorrogação de prazos. Nesse mesmo dia, a página do TSE na internet alertava para as “fakes news das eleições adiadas”.

Prazos inalterados
O Tribunal Regional Eleitoral do RS publicou terça-feira, dia 1º, nota oficial recomendando a adoção dos procedimentos legais no que se refere aos requerimentos de inscrição, regularização ou transferência de domicílio de eleitor e suas comunicações de filiação partidária no sistema Filia. Vale destacar um trecho da nota: “considerando que os prazos previstos no calendário eleitoral (Resolução TSE 23.606/2019) permanecem inalterados até o presente momento”.

Partido Verde
Conversei, ontem, com o presidente do Partido Verde, o economista e secretário municipal  Bayard Paschoa Pereira, que está empolgado com as possibilidades do PV ter alguém na Câmara de Vereadores pela primeira vez. No entanto, Bayard confessa que, talvez, não apresente os 26 candidatos a que tem direito. Irá ao pleito com 15 ou 20 nomes. 


Pensando na média
Claro que é bom completar toda a nominata que o partido tem direito. Mas, não considero ruim ter esse número que o PV projeta. O quociente eleitoral em Bagé é de 4,2 mil votos. Com 18 candidatos, por exemplo, a média é 240 votos.  Ah, sem esquecer que alguém tem que fazer no mínimo 420 votos, 10% do quociente, se não esbarra na cláusula impeditiva para ser eleito. O congresso fez essa barreira para evitar que os Tiriricas da vida carreguem consigo 5, 6 eleitos com sua montanha de votos. 

Difícil momento
João Schardosim não deve permanecer no PSDB. Sei que o motivo é o que está causando dor de cabeça para vários dirigentes partidários, a nominata. Na verdade, a intervenção tucana feita em Bagé foi muito tarde, fim de fevereiro. Perto demais do prazo final de filiações. Liguei para ele, mas não quis falar muito. Apenas disse que é um momento difícil. 

PSD na luta
Já o PSD está otimista. O presidente Luís Diego, que há pouco tempo ainda era secretário de Transporte e Segurança do município, demonstra otimismo com o futuro do partido. A novidade é a filiação do tenente Ronaldo, da Defesa Civil, que deve concorrer a vereador; Luís Diego e Luís Carlos Dias, que abraçam a bandeira Bolsonaro na cidade, também estão na lista dos candidatos.

PDT e as três estradas
O PDT é uma incógnita. O partido não sabe se apoia o prefeito Divaldo Lara na disputa de outubro, se apoia o PT de Mainardi ou se vai com candidatura própria. A presidente Elenara Ianzer não quer saber dessa história de PT. Mas, é o diretório que decide. Diretório, aliás, com a saída do vereador Augusto Lara e seus aliados, perdeu alguns membros que apostavam na coligação com Divaldo. 


Deixe sua opinião