PAPO DE ELEVADOR - 26 DE MAIO
Publicado em 26/05/2020

Gladimir Aguzzi

Gladimir Aguzzi

Foto: Reprodução/FS

Quando o sonho virou pesadelo...

Todos e todas, argh!
Quando alguém começa uma fala com “todos e todas, bem-vindas e bem-vindos”, ou uma dessas imbecilidades de achar machismo, racismo ou homofobia em tudo, essa pessoa já definiu, para mim, que toda a sua falação virá carregada de ignorância. A minha atenção de 100% já cai para 40, 30 e 20%.

Ideologia para viver
Afirmo a vocês, meus amigos e amigas, leitores e leitoras, que não há uma questão gramatical nessa história de todos e todas, mas ideológica. Compartilho com o doutor em Linguística pela USP, Eduardo Calbucci, “é só viés ideológico mesmo”. Isso é como um código de identificação da esquerda tosca. E tem que ache isso lindo e inclusivo. 

“Todxs”
Hoje não, mas outro dia vou tentar entrar na questão do “x”, da linguagem não binária ou neutra. O “todxs” para quem não se identifica como homem ou mulher. Aliás, isso é de uma ignorância e brutalidade sem precedentes na língua portuguesa - língua portuguesa que nasceu se desprendendo do latim. Ignorância porque ignora e não se importa com a estrutura do idioma. Mas deixemos isso para outro dia. 

Terças e quintas
Para os menos avisados, lembro que Papo de Elevador é publicado aqui no jornal Folha do Sul às terças e quintas. Sugestões, críticas, elogios e xingamentos no gladimiraguzzi@gmail.com. O e-mail é particular para que possa responder sem atravessadores. 

Bolsonaro, a série
O governo Bolsonaro parece uma série da Netflix. Só que mais emocionante em todos os episódios e não só no “piloto”. Tem personagens identificáveis e marcantes, com muita dramaticidade. Às vezes, parece que falta verdade ao protagonista. Não em suas palavras, mas verdade em confronto com a realidade. Tem conflito com ministros, governadores, imprensa, médicos. É uma grande obra.

Moral e imoral
A série Bolsonaro no episódio da semana passada dava a entender que tudo desabaria com a revelação do vídeo da reunião ministerial. Não. E ainda causou efeito contrário. Só os “bundinhas” da moralidade dizem que os palavrões mostraram a decadência da República. Que nada! Imoralidade virá quando o Centrão entrar na reunião. Quem sabe poderemos ver isso nos próximos episódios!

Lula torce pelo vírus
Outro detalhe genial na série Bolsonaro. Na semana retrasada, quando a esquerda já colhia os “frutos da falácia” de um governo PT eficiente na luta contra a covid-19, apareceu o condenado Lula para dizer “ainda bem que a natureza criou o coronavírus” como argumento para defender o Estado. O ato falho mostrou para quem torce a esquerda tosca desse país. A série é muito boa porque quando tu pensas que a cena é definitiva surge outra mais forte para desfazer a anterior.

A velha história
Tenho observado que políticos de Bagé têm batido no problema de falta de água, racionamento e a não construção da barragem. Aliás, o Lelinho do PT, o Chico e a Beatriz, do PSB, fizeram até uma solicitação ao Daeb por desconto na tarifa em período de racionamento. Lembrando que não é mais taxa é tarifa. Ou seja, paga-se pelo que é consumido. Logo, se não tem água não tem consumo. 

“Cara de pau”
Por falar em esquerda. Outro dia li numa rede social ex-vereadores do PT criticando o prefeito Divaldo por não ter construído a barragem e que tinha dinheiro em caixa para a contrapartida da obra. Dinheiro que Mainardi e Dudu deixaram. Não vi ninguém do governo respondendo essa questão tão fácil de ser respondida. Pode ser que sim e eu não tenha visto. Mas, por óbvio, a única resposta para os petistas de Bagé, que estiveram no governo de 2001 a 2016, é “cara de pau”. Cara de pau, sim. Qualquer um que agiu como o PT agiu nessa década e meia, com o mínimo de vergonha na cara, nem tocaria nesse assunto.   


O desvio e o embargo
Para começar houve desvio de dinheiro na obra da Barragem da Arvorezinha. Por conta disso, a prefeitura tem de devolver em torno de R$ 8 milhões à União. Tudo porque mentiram no material utilizado na obra, maquiaram relatórios e duas empresas – a que fazia a obra e a que fiscalizava a obra - eram dos mesmos donos, além do prejuízo do embargo feito pela Justiça, por meio da Polícia Federal. Sem a garantia da devolução do dinheiro desviado não tem barragem. Sem um novo plano de serviço de obra não tem barragem. E a culpa disso tudo é de quem? Da turma do Lula, para variar. 

De fiascos e crimes
O PT venceu duas eleições com essa história da barragem. Já em 2010 fez um fiasco, inventou casa azul, mirante, ponto turístico na Arvorezinha, passeio pelo canteiro de obra, mil e uma declarações sobre a realização do sonho dos bageenses. E agora vem com essa história de tinha dinheiro em caixa para contrapartida! Não é justo que a prefeitura, por meio do governo atual, pague os R$ 8 milhões desviados no governo anterior, isso devia ser pago pelas empresas, pelo diretor do Daeb e pelo prefeito da época.   


Deixe sua opinião