PAPO DE ELEVADOR - 10 DE ABRIL
Publicado em 10/04/2020

Gladimir Aguzzi

Gladimir Aguzzi

Foto: Reprodução/FS

Fracassos e sucessos
O Brasil passa por um momento político estranho e delicado. O coronavírus é pano de fundo. Pode parecer ousadia esta análise, mas vou me atrever. Setores da política, do PT ao governador João Dória, demonstram torcer pelo quanto pior melhor. O fracasso de Bolsonaro representa o sucesso deles. 

Jeitos e jeitos
É triste. No entanto, é a verdade que se configura. Óbvio que o presidente Bolsonaro ajuda os adversários inimigos. Não quer ajudar, mas ajuda. É insistente em afirmar um colapso econômico, afinal os meios de produção estão parados. Mas o problema é o jeito de dizer. Dizer que tem medo do colapso econômico se torna cruel porque pessoas estão morrendo. Então, muda-se a forma de dizer e tratar o assunto.

À espreita
O presidente errou lá no início. Tentou remendar. Quase conseguiu, mas ficou no quase. Óbvio que o PT está se aproveitando disso. Lula andava escondido, mas à espreita, agora apareceu para dar uma entrevista à agência internacional Associated Press pedindo que a sociedade derrube Bolsonaro.

Lula, o canalha
Lula é mais canalha que ladrão. Ele está se aproveitando da crise do coronavírus para propagar o caos. Na entrevista, incentivou arrancar Bolsonaro do cargo, não pelo Congresso e sim pela própria população. Disse o ex-presidiário: "A mesma sociedade que o elegeu tem o direito de destituir esse presidente quando perceber que ele não está fazendo o que prometeu. Um presidente que cometeu erros e está criando um desastre. Bolsonaro, neste momento, é um desastre".

A oposição do ódio
Todos nós sabemos que Lula não tem moral para sequer dar uma entrevista. É um mentiroso contumaz. Alimenta-se de mentiras. Já provou isso de várias formas. E agora arma seus asseclas para construir armadilhas por todo o país com a finalidade de derrubar governos. Ou alguém de sã consciência acredita que o PT apoiaria o isolamento se o isolamento fosse 100% bom para o governo Bolsonaro, mesmo sendo bom para o Brasil? 

Alternativa universal
Lula e Dória apostam no isolamento, não como defesa de um vírus, mas como praga da lavoura, como quebra do Brasil. Apostam no caos do governo Bolsonaro. O problema é que o “fica em casa” é uma alternativa universal. Se a China garantisse ao Brasil a amenização da crise econômica com uma espécie de seguro, Lula ligaria para o Xi Jinping dizendo “não faça isso, camarada, deixa ele se estrepar ”.

Orquestra de esquerda
Nos últimos dias, as ações da esquerda passaram a ser orquestradas. Até então eram tiros na lua. No dia 8, o PCdoB fez protesto por mais investimentos no SUS, enquanto Manuela D’Avila comemorava o coronavírus como a causa de união da esquerda brasileira e Luiz Fernando Mainardi inventava um novo cavalo de Tro ia para dar ao governo do Estado, na forma de empréstimo no Banrisul para pagar servidores.

O cavalo de Troia do Mainardi
Permitam-me que fale mais sobre esse “cavalo do Mainardi”. Aliás, antes situo alguns leitores que por ventura não entenderam a metáfora do cavalo. Trata-se daquele presente dado pelos gregos na Guerra de Troia. Um cavalo enorme, de madeira, onde dentro estavam soldados. O cavalo entrou para a cidade fortificada de Troia como um presente, mas, à noite... os soldados gregos saíram do cavalo e tomaram a cidade. É por aí a coisa.

O altruísta
A proposta do Mainardi, como líder do PT, é pegar o dinheiro da folha de pagamento dos funcionários do Estado e usar para enfrentar o coronavírus. Aí, o governador Eduardo Leite faz os servidores pegarem empréstimo no Banrisul para os seus salários, mas é como um empréstimo do Estado que pagará em oito ou 12 vezes. Entenderam a coisa? Eu não entendi o que o “bonzinho” e altruísta Mainardi quer. Ou entendi? 

Impeachment e desgaste
Armadilha I: Bem, vamos considerar que o governador aceite o presente e coloque o cavalo para dentro do palácio. Nesse momento, o Estado teria tomado dinheiro emprestado de seu próprio banco, da instituição que controla. O que é ilegal. Aliás, essa ilegalidade apareceu no processo de impeachment da “presidenta”. 
- Sim, mas estamos em calamidade pública, não fere lei nenhuma, dizem os petistas. 
E aí está a primeira armadilha. Um dos puxadinhos do PT, que não assinam essa proposta, como o PSOL, arma o processo de impeachment, logo ali, em um ano. Pode não conseguir derrubar o governador, mas desgasta. 

Operação Mata Governo!
Armadilha II: O governador coloca o cavalo para dentro do palácio, desloca o dinheiro dos servidores para o enfrentamento do vírus. Terá, então, de pagar o empréstimo ao banco, pagar juros, no momento em que a arrecadação cai 40 ou até 50%. Leve-se em consideração que o Estado vem de uma luta terrível para pagar o básico, parcelando salários e atrasando repasses. Imaginaram o caos? Compreenderam que o cavalo do Mainardi não é um presente, mas uma armadilha? É a operação Mata Governo! 

O presente e a canalhice
Só para esclarecer um pouco mais sobre essa história da Guerra de Troia. Os troianos aceitaram o cavalo de madeira porque os gregos haviam desistido da guerra. Só que não. Era golpe, canalhice, armadilha. Os soldados saíram do cavalo à noite, abriram as portas da cidade para que os gregos entrassem e atacassem a cidade de Troia até sua destruição.
Entenderam? Pois é. Cuidado. Há sempre um PT à espreita, pronto para sair do cavalo de madeira e atacar. 


Deixe sua opinião