No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

SOCIAL 29 DE FEVEREIRO
Publicado em 29/02/2020

Gilmar de Quadros

Cidade: Bagé / RS
Colunista social
Gilmar de Quadros

Foto: Divulgação/FS

Icara Pereira Cardoso: “O Segredo da Estrela”, lançamento terça-feira

DE PERSONALIDADE empreendedora, um jeito de ser que encanta plateias exigentes, as quais conquista nos primeiros segundos das palestras que profere no Brasil e Exterior. ICARA CARDOSO  é  autor do livro “O Segredo da Estrela”,  sessão de autógrafos terça-feira (3), às 20h, no Cultural Dom Diogo de Souza. 

1) Para iniciarmos nossa conversa onde você fez seus primeiros estudos?

Icara - Na escola estadual Risoleta de Quadros, em São Sebastião, onde estudei da pré-escola até o sexto ano. Aos 11 anos, vim morar em Bagé. Embora bageense, morei minha infância no segundo distrito de Dom Pedrito; fato de que me orgulho muito, tenho familiares e amigos excelentes lá.

2) Dessa época, quais suas melhores lembranças; algum professor em especial? De que disciplinas você mais gostava?

Icara - Foi lá na escola que tive os meus primeiros contatos com livros e participava de feiras de ciências. Lembro-me da professora Mara São João que por eu ficar pedindo insistentemente para ir em outras feiras de ciências ela se voluntariou para me levar de ônibus na feira de ciências do Sesc em Bagé. Fomos e voltamos no mesmo dia e lembro, como se fosse hoje, foi como se eu estivesse entrado em outro mundo de possibilidades. Gostava muito da disciplina de Ciências e Técnicas Industriais, porque era tudo um universo de descobrimento e possibilidades, era fantástico.

3) Sua graduação acadêmica é em que área do conhecimento?

Icara- Administrativa. Sou graduado em Administração de Empresas, na Urcamp.  Busquei algumas especializações nesta área administrativa onde fiz MBA em Finanças Empresariais pela Fundação Getúlio Vargas e anos mais tarde fiz MBA em Marketing também pela FGV. 

4)    A leitura sempre fez parte de seus hábitos diários? Que tipo de leitura mais lhe agrada? E quais autores são seus prediletos?

Icara - Sempre gostei de ler, lia mesmo no Exército quando fazíamos marchas de quilômetros ou exercícios de campanha, eu estava lá com meu livro na mão, caminhando e lendo, e quando no acampamento lendo também. Gosto de ler livros técnicos ou que tragam exemplos práticos de usabilidade. Certamente, um dos meus autores preferidos é Nassim Nicholas Taleb, onde dois deles para início de leitura indicada é “A lógica do Cisne Negro” e “Arriscando a Própria Pele”; neste último, o autor coloca de uma forma ímpar que você não deve confiar em ninguém que não arrisque a própria pele, caso contrário há uma assimetria.

5) No mundo corporativo, competir parece palavra-chave; competir é derrotar os concorrentes?

Icara - Competir sempre será uma das palavras-chaves no meu entendimento também; mas a competição aqui será consigo mesmo em ser melhor a cada dia e fazer suas entregas de tarefas e responsabilidades de forma ainda melhor. Os “concorrentes” despreparados irão automaticamente sair da sua frente, ou melhor, você não os verá mais. Quando você descobre que o “alvo” da competição não é o outro, e sim você, isso muda o jogo, muda a competição, muda o resultado; você, inclusive, para muitos destes “competidores”, deixará de ser visto como competidor e será inspiração, porque até eles não enxergarão você mais como competidor.

6) Ser feliz ajuda a conquistar um lugar de destaque no mercado de trabalho?

Icara - Absolutamente. Se você não é feliz com o que está fazendo você estará se “arrastando” e as pessoas irão ver e perceber isso. Ninguém quer ficar ao lado de pessoas de baixa vibração e que trazem energia ruim, de infelicidade. Quando eu me refiro a ser feliz aqui não confundam com aquelas pessoas que não param de falar e ficam sempre rindo e fazendo piadas que a vida é colorida ( às vezes, isso é somente casca), mas me refiro muito mais do que isso, me refiro à postura de vencedor. Só é vencedor aquele que teve uma postura de vencedor antes de vencer, e não ao contrário; e isso é ser feliz, porque você já visualizou a chegada antes quando na largada. E neste caso ser feliz é alinhamento com pensamentos, ações e discurso. Peça fundamental no ambiente de trabalho. Fale menos dos outros, ou melhor, não fale, e faça mais do seu trabalho. 

7) As pessoas nascem líder ou aprendem isso ao longo da existência delas?

Icara - O silogismo que usarei na resposta é o mesmo quando falamos que uma pessoa “nasce” com disposição para tocar violão. Na verdade, ela veio com um dom musical que facilita o entendimento dos conceitos musicais e faz com que ela raciocine mais rápido no aprendizado, basicamente isso. Da mesma forma é o líder, algumas pessoas nascem com o dom para relacionamentos, diálogos, empatia, mentoria, que são alguns dos atributos de um bom líder, facilitam a caminhada do aprendizado e resultados. Mas em ambos os casos, o violinista e o líder que não nasceram com o dom, podem e devem buscar conceitos e informações para gerar habilidades ao longo de algum tempo, possivelmente eles sentirão mais o esforço no tempo, mas serão melhores daqueles que “nasceram com o dom”,  independente do dom, se decidirem ser. Outra vez me refiro aqui ao esforço (mentalidade de crescimento sempre)!

8) Atualmente, parece haver espaço apenas para os “iluminados”. Quem são eles? E de onde vem essa “luz”?

Icara - Chamaria esta luz de esforço. Nada vem do nada. Muitos leitores aqui, principalmente aqueles que possuem uma longa trajetória de esforço e dedicação irão concordar comigo que o único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário, fora isso, esta “iluminação” é chamada de esforço e dedicação. E esta “luz” vem quando paramos de reclamar e achar que as coisas caem do céu. Precisamos buscar fontes de inspiração em amigos e conhecidos e modelar suas trajetórias para inspiração, não há problema nenhum nisso, quando fizemos um bolo pela primeira vez seguimos uma receita e depois adaptamos. Foi o que falei em respostas acima: Quem são seus amigos e o que você anda falando e investindo de tempo com eles? Minha falecida mãe já dizia para eu filtrar muito bem minhas amizades. Outro exemplo para resposta para a “luz”: algumas pessoas dizem que há muito lixo na internet, eu particularmente não sei, não vejo (quem procura acha). Isso serve para vida! “Luz” é mente focada.

9)  Você diz que não quer mais se estressar, ter muita pressa, que conseguiu jogar fora o vício da preocupação. Como conseguiu isso?

Icara - Tenho trabalhado minha mente para curtir mais o momento, não é tarefa fácil, vez ou outra tenho um “sequestro emocional” e me vejo preocupado com algo que vai acontecer e quando tomo consciência disso, volto minha mente para o presente e tento entender o que me fez sentir este sentimento de “ansiosidade” em algo que ainda não aconteceu. Ou seja, eu olho para o passado e busco explicações e entendimentos para eu melhorar o meu presente e fazer as coisas melhores no futuro para que eu não me preocupe mais. Decidi também que não quero ter mais “razão das coisas”, mas, sim, ser feliz; quando percebo que uma pessoa não está buscando perceber um outro ponto de vista ao dialogar comigo, simplesmente digo: “realmente você tem razão em seu ponto de vista, eu não tinha percebido sobre o seu olhar, agora me fez sentido a sua opinião, olhando pela sua verdade”, a pessoa fica feliz e eu também. E eu continuo com a minha verdade e ela com a dela, mas eu olhei e observei como ela observa, onde então volto para o meu ponto de observação original. Podemos não “concordar”, mas não vamos brigar por isso! 

10) Conte-nos um pouco sobre o livro que veio lançar em Bagé?

Icara - O livro apresenta uma metodologia que desenvolvi quando tinha 25 anos em uma viagem ao exterior. Eu fiquei por 11 dias consecutivos visitando uma biblioteca na cidade de Nova Iorque para escrever o meu planejamento estratégico pessoal e me apropriar das ferramentas administrativas modernas e adaptar em relação ao indivíduo, já que não tinha encontrado nada prático na literatura até aquele momento. E foi sem pretensão de virar livro que comecei a escrever e aplicar em mim mesmo e em algumas pessoas mais próximas que conheciam o “meu método”. No ano passado, em São Paulo, após uma certificação de Coach, fui motivado pelos meus colegas para compartilhar esta ferramenta que agora estou apresentando. O resultado do livro será repassado para instituições, como: Hospital Universitário de Bagé, AJE (Associação do Jovem Empreendedor de Bagé), loja Maçônica Estrela do Sul nº 84 de Bagé e ONU (Organização das Nações Unidas). 

11) Nele você dá sugestões de como obter melhores resultados na equipe de trabalho?

Icara - Na verdade, a ferramenta é voltada para o indivíduo, com foco total em práticas para obtenção de resultados pessoais melhores ainda, que por tabela, serão reconhecidos no ambiente de trabalho e, consequentemente, na equipe também.

12) Para encerrar, deixe, por favor, uma mensagem aos bageenses?

Icara - Invistam o máximo de tempo disponível, e da maneira correta, que puderem nas crianças até os 7 anos de idade, nós e elas sofreremos menos no futuro. Meditem e façam pausas durante o dia, 10 minutos já ajudam, para “não fazer nada” e contemplar o agora, deixe você falar com você mesmo e as respostas virão. Algumas vezes, reclamamos que não temos as respostas, mas se não criamos o ambiente e a oportunidade para isso elas, realmente, não virão mesmo! Finalizo com uma frase em latim, para mais uma vez me referir aqui ao esforço: “Exnihilonihilfit” - nada vem do nada.


Deixe sua opinião