No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

LOHEN E NEY MÁRIO
Publicado em 27/12/2019

George Teixeira Giorgis

George Teixeira Giorgis

Perdemos recentemente dois colegas de aula do curso ginasial (final de década de 40) do vetusto Colégio Nossa Senhora Auxiliadora: Ney Mário Mércio Carneiro e Lohen Leite Garcia. Por coincidência, Deus os convocou para viagem simultânea aos páramos celestiais.
Dia após dia, enquanto a idade avança e os cabelos brancos se apossam de nossa fronte, somos privados da presença material de tantos amigos queridos quando não de familiares extremosos.
Será que viemos à vida terrena com prazo determinado? Depois dela haverá outra vida, a chamada “vida eterna” como pregam certos credos?
Ninguém jamais baixou ao nosso mundo para nos render tal informação. Será verdade que os bons ascenderão às belezas celestiais e que os maus recolherão castigo no fogo do inferno? Jamais alguém volveu de lá para nos informar e não possuímos prova concreta de que tal retorno se dá incrustrado noutro ser, nem que, do lado de lá, haja castigo ou prêmio.
O que nos resta é que nos esforcemos para acreditar que os nossos, que “viajaram”, estão bem, num “mundo” sem mágoas nem rancores, sem padecimentos e sem desilusões. E que, de onde estiverem, façam descer sobre nós a ventura de uma vida terrena digna, de labor e sem aflições.
Do tempo que nos sobra deveremos aproveitá-lo de forma elevada e digna. Trabalhando diuturnamente para sustento nosso e dos nossos. Em nossa profissão deveremos buscar obrar de modo prudente, honrado, realizador. Sobretudo servindo nossos semelhantes sem ambição nem vanglória.
O pior juízo é o da consciência. Este não nos deixa dormir sossegados se praticarmos o mal reiteradamente. Qualquer que seja nossa profissão à mesma deveremos devotar o melhor de nós mesmos. Repetindo: sempre servindo com amor, com honradez, com afeto, com desvelo. Assim, ao final de cada dia, descansaremos tranquilos e falaremos baixinho: trabalhei, fiz o bem, servi, posso agora agarrar-me ao travesseiro pensando no dia de amanhã. Paz aos amigos fraternos que se foram.
 

Texto revisado pelo autor


Deixe sua opinião