No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Diversas 58142
Publicado em 12/01/2017

George Teixeira Giorgis

George Teixeira Giorgis

 
         Revisando nossas múltiplas caixas de recortes de jornais, encontramos notícia de que, em 11-06-98, no Restaurante Arlindo, esteve reunida a colônia portuguesa em Bagé, em almoço de confraternização. Era presidente da entidade o Dr. Ary Marques Ferreira, sub-oficial do então Cartório de Títulos, Documentos e Protestos Mercantis. Ao ensejo, como convidado especial, proferimos palestra sobre vida e obra de Luís de Camões. No mesmo ano, em 17 de junho, houve em Porto Alegre uma sessão solene do Instituto dos Advogados do RGS, em homenagem póstuma ao jurista, magistrado, autor e professor Dr. Orlando de Assis Corrêa (que, em anos antecedentes, fora Juiz de Direito aqui, rotariano e professor na Urcamp). Convidado pela diretoria da entidade, fomos o orador oficial, rumando daqui para lá. Estava presente a viúva, professora Elsie (que faleceu posteriormente). Dirigia o Instituto a Drª Sulamita Cabral (que, hoje, ali, novamente é presidenta).
-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-
         Em 10/08/98 nosso conterrâneo Sr. Adeomar dos Santos era lançado candidato à presidência da Federação dos Trabalhadores Aposentados e Pensionistas do RGS. Na defesa destes, Adeomar batalhou muito em Bagé, agindo ainda nas áreas desportiva, radiofônica, política e jornalística. Faleceu cedo, porém.
-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-
         Em 05/02/1.965 noticiava o saudoso “Correio do Sul”, que, outra vez, em assembleia geral da classe, o Sr. Domingos de Souza Nocchi era reeleito presidente da Associação Comercial de Bagé. Seriam seus colegas de gestão os cidadãos Darcy Barcellos, José Wílson Barcellos, Cyro d’Ávila, José Seberino Necchi, Júlio Barbosa, Felipe Kalil, Mário Cunha, José Ferreira Rochinhas, Ary Azambuja, Francisco Abreu, Garibaldi Teixeira, João Mesquita, Luís Carlos Loureiro, Nelson Dias, Antônio Mata, Víctor Brusius, Gastão Bittencourt, Jaci dos Santos, Mário T. Bispo, Segundo Deiro, Ângelo Minotto, Dante Peduzzi, Rubens Vieira Perez, Renê G. Sciortino, Antônio Cândido Franco e José López Perez. Na mesma edição, ainda o “Correio do Sul” (com nossa foto) informava que, naquela noite (5/2/65), iríamos ser empossado como presidente da Subsecção da OAB e que “éramos o mais jovem advogado, no país, a chegar a posto semelhante”. Havíamos sido eleitos (em 24 de novembro do ano antecedente) pela unanimidade de todos os causídicos bageenses, sucedendo ao Dr. Carlos Fico (de cuja gestão fomos “secretário”). Empossavam-se, conosco, os colegas Dr. Lúcio Ivo do Couto (vice), Dr. Alfredo Salim (secretário) e Dr. Ruy Pereira Niederauer (tesoureiro). Do ato lá se vão 52 anos... E, no cargo, reeleito, continuadamente, ficamos 16 anos!
-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-
         Até para pedreiros, pintores e carpinteiros escasseia o serviço em Bagé. O ano de 2.016 foi o pior, no século, economicamente, para todos os brasileiros. A esmagadora maioria de nossa população restou com dívidas aqui e ali e magna preocupação para poder atender seus compromissos financeiros. O desemprego também se exibiu terrível. Os crimes se multiplicaram. E as mortes violentas encontraram, nesse tempo, seu império! 2.017 será melhor?
-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-
         Dia de gala, a contar das 19 horas de quarta-feira, para o histórico 3º Batalhão Logístico (ali onde era o 12º RC). Sob a coordenação do Gen. Hertz Pires do Nascimento, o Coronel Jorge Oliveira Maia Filho passou o comando daquela Unidade Militar para o Ten. Cel. Antônio José Costa Coutinho. Foi um novo ensejo de congraçamento das forças militares com o mundo civil bageense. Maia Filho não irá embora. Convidado especial, ele já está preenchendo (em nosso QG) o importante cargo de Chefe do Estado Maior da 3ª Brigada Cav. Mec.
-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-
         O Coronel da Reserva Osvaldo Mendes Carvalho, que fora casado com a bageense Yeda Ercolani, faleceu há pouco em Porto Alegre. -*-*-*- Muita gente com carro novo acha-se em dificuldade para pagar as prestações, segundo comentam... -*-*-*- Comunismo, Nazismo, Fascismo: o que significaram tais regimes na história das nações? Significaram partido único, ditaduras férreas, inexistência total de liberdade de ação e de expressão, prisões arbitrárias de qualquer adversário e fuzilamentos a todo dia.

Texto revisado pelo autor

Deixe sua opinião