Diversas 56847
Publicado em 30/11/2016

George Teixeira Giorgis

George Teixeira Giorgis

DIVERSAS
GEORGE TEIXEIRA GIORGIS (ADVOGADO)
 
No dia 12 de maio de 1.985 foi eleita a nova diretoria do Clube Comercial, chamada “Chapa do Centenário” (100 anos da entidade) a qual foi empossada a 3 de junho do citado ano. Era presidida pelo Dr. Paulo Roberto Costa Coronel, tendo como vices os Drs. José Fernando Paiva de Castro e Ricardo Nocchi Kalil. Integravam a mesma mais os seguintes cidadãos: Danilo Fernandez Ferreira, Paulo Sebolt, Joel Gonçalves Brasil, César Macedo Escobar, Auro Acevedo, Flávio Vinhas Rodrigues, Nicanor Ollé, Alencar Medeiros, Mário Emir Mansur Lucas, José Nicanor de Souza, Francisco Beltrand, José A. M. Azeredo, Washington Bandeira, Armando Salis Brasil, Liáder B. Previtali, Augusto Pinheiro Grande e Jorge Suñé Grillo. Os cinco últimos compunham o Conselho Fiscal. -*-*-*- Segundo dados colhidos pelo Dr. Décio Lahorgue, o Estado de São Paulo tem 282.652 advogados. O do Rio de Janeiro, 138.203. RGS = 75.417. Santa Catarina = 32.859. Tocantins = 5.030. Pernambuco = 27.248. Bahia = 38.551. Acre = 3.002. Amazonas = 8.515. Ceará = 23.672. Brasília = 34.427. Minas Gerais = 102.491. Rondônia = 6.334. Roraima = 1.558, etc. -*-*-*- Em 19-12-1.982, em assembleia geral, era eleita a nova diretoria do Sociedade Espanhola de Bagé, sendo escolhido presidente o Sr. Jacinto Ollé Vives (“Cintão”). Ficaram de seus companheiros de gestão, ali, os cidadãos Higino Cabellos, José Alfonso Lugris, Santiago Nuñez Lugris, Ireno Godinho, Luiz Avello Diaz, Carlos Cuerda Moreno, Rianulfo Severo, Celestino Martinez Blanco, Ignácio Bautista, Marlene Lêdo Hidalgo, Fernando del Castillo, Fernando Oyarzabal, Emílio Martinez, Carlos Pons Filho, João Torrescasana, Mário Torres e Wílson Pons Ferrer.-*-*-*- Pelo Código Civil da República, quando trata da “administração do condomínio”, está assentado que a assembleia dos “condôminos” sempre deverá escolher um “Síndico” para fazer-lhe a administração. O prazo inicial da gestão não poderá ser superior a dois anos. Mas este mesmo prazo poderá renovar-se. É o art. 1.347. As obrigações dele estão no art. 1.348. -*-*-*- Em Porto Alegre, no Plaza São Rafael, dia 24, em jantar soleníssimo, o Instituto dos Advogados do RGS festejou 90 anos de existência, presidido pela dinâmica Drª Sulamita Santos Cabral. -*-*-*- Quartel General: sexta-feira, 10:30h, começo das solenidades que culminarão com o empossamento do Cel. Cav. Jorge Oliveira Maia Fº (ex-Cmt. 3º Batalhão Logístico) na chefia do Estado Maior da 3ª Brigada, tudo sob a égide do Gen. Bda. Hertz Pires Nascimento, aliás, um varão muito comunicativo. Os civis convidados deverão vestir “esporte fino”._*_*_*_ Em 2.009, em Brasília, o advogado bageense Mauricio Saliba Alves Branco (filho dos Drs. Ubirajara e Vera Regina) lançava seu livro “Direito fundamental de propriedade e compensação tributária com débitos de terceiros”, em 70 páginas. Em 1.997, o Dr. Jefferson Carús Guedes (nascido em Alegrete, mas consorciado com bageense) publicou (em 140 páginas) “Exceção de usucapião”, prefaciado pelo Des. Juca Giorgis. Jefferson continua em elevado posto federal em Brasília. -*-*-*-O que vimos de ler na semana passada: a) “Quem matou Vargas” de Carlos Heitor Cony (271 pgs.); b) “O Marquês de Barbacena”, edição de 1.932, de João Pandiá Calógeras, 249 pgs., sobre a vida do diplomata Feliciano Caldeira Brant. E mais: “Costeando o alambrado”, em 174 pgs., recém autografado pela Profª Giselda Maria Lopes Lucas. E, ainda, em 76 pgs., ed. 2003: “País Bandido” do jornalista gaúcho Carlos Wagner sobre contrabando, drogas e mortes no Paraguai.-*-*-*- Antigo leitor indagou-nos desde quando escrevemos em jornal ? Relatamos que nosso primeiro artigo saiu no “Correio do Sul” saudoso em 10/10/1.952, quando, em PoA, estávamos no 3º ano do Curso Clássico no Colégio Marista Rosário. Antes, porém, já vínhamos escrevendo artigos e reportagens no veículo de comunicação do educandário em foco. E em nossas férias colegiais, vindos de PoA, em 1.951 e 1.952, embrenhávamo-nos na redação do “Correio do Sul”, tecendo reportagens e fazendo entrevistas, preenchendo o tempo. Já universitário, na capital, escrevíamos no “Diário de Notícias”, no “Correio do Povo”, em “A Hora” (hoje “Zero Hora”). E em órgãos de imprensa de São Gabriel, Lavras do Sul e Dom Pedrito, sempre gratuitamente (como até agora), no intuito de esclarecermos as comunidades, transmitindo aquilo que vemos, lemos e aprendemos. E o que é mais sugestivo: nunca tivemos filiação partidária e jamais aceitamos cargos públicos, atuando gratuitamente nas mais diversas entidades e associações! Isso não é muito comum... -*-*-*- Luís Coronel: uma emissão de Bagé para a cultura do mundo! É escritor de talento notório.

Deixe sua opinião