Diversas 52475
Publicado em 13/07/2016

George Teixeira Giorgis

George Teixeira Giorgis

Nesses 58 anos de advocacia, pelos quais perpassei desde que volvi, já formado, à gleba nativa, enxerguei, vezes diversas, nossa Bagé em determinadas crises econômico-financeiras. Todavia, nenhuma mais duradoura e sofrida como a atual em quase todas as ocupações e profissões. Há uma luta (e cansativa) para receber-se dinheiro, para recolher o que os outros nos devem, o que obriga (por vezes) as pessoas sensatas e equilibradas a atrasar seus compromissos e a apresentar pedidos de desculpas. É certo que não é só aqui, posto que a anomalia se espalha pelo Brasil afora. E o que irrita e desgosta é verificar, com tudo isso, que muitos políticos e administradores, a cada dia, têm revelados os golpes e as falcatruas que produziram, ganhando “milhões” facilmente como que a escarnecer dos que passam faltas! -*-*-*- Em Bagé continua a chamar a atenção o volume de casas e apartamentos para alienar e alugar. Quem tem meios ($) pode até formular a transação e o valor. -*-*-*- No primeiro mês em que começamos a aqui advogar (março-1.958) Bagé tinha três Varas (cível e crime) na justiça estadual e todas achavam-se vagas. Então, promovido de Jaguarão veio o Dr. Túlio Barbosa Leal (1ª Vara). Depois o Dr. Rubens Rebello Magalhães (desde Canguçu) para a 2ª Vara. E, por fim, o Dr. Sylvio Fortunati Pereira (promovido de Soledade), para a 3ª Vara. Antes deles, logo que iniciamos, duas Varas eram jurisdicionadas pelo Dr. Ernâni Vaz Guimarães (juiz de São Gabriel). E outra Vara, também interinamente, estava ao encargo do Dr. Nathaniel Marques Guimarães (juiz de Piratini). Eles vinham uma vez na semana. -*-*-*- Na justiça, fala-se muito em “coisa julgada”. O art. 502 do Código de Processo Civil esclarece o que seja: “Denomina-se coisa julgada material a autoridade que torna imutável e indiscutível a decisão de mérito não mais sujeita a recurso”. -*-*-*- Terminada, em Bagé, a administração do Dr. Carlos Mangabeira (Intendente) e Sr. Adolpho Luiz Dupont (vice) houve eleições municipais e em 12-abril-1.929 foram empossados como chefe do Poder Executivo e seu vice o desembargador José Bernardo de Medeiros Jr. (que, anos antes, fora aqui juiz de Direito) e o Dr. Alziro Marino (advogado), ambos do Partido Republicano Riograndense. O Conselho Municipal (hoje seria a Câmara de Vereadores) ficou formado pelos cidadãos Hildebrando Rodrigues, Dr. Héctor Freitas, Dr. Mário O. Suñé e Sr. Bido Gontan (pelo Partido Libertador). E pelos Srs. Idalino Campos da Luz, Bento Gonçalves da Silva (Bentico), Artur Bernardino Lignon, Francisco de Paula Pereira (Chirú) e Dr. Júlio Diogo (pelo Partido Republicano Riograndense). Foi eleito presidente do Conselho o Sr. Idalino da Luz (era escrivão forense). Entretanto, dentro de poucos meses o Dr. José Bernardo e o Dr. Alziro renunciaram, pois os libertadores tinham acusado o pleito de fraudulento e pleiteavam mais uma cadeira no Legislativo. O Poder Judiciário (chamava-se “Superior Tribunal do Estado”), então, considerou eleito o Sr. Nicolau Tolentino Marques (libertador), retirando a cadeira do Sr. Bentico Gonçalves e a maioria legislativa inverteu-se. Por um acordo (já o Dr. Getúlio Vargas era presidente do Estado) houve acerto de alto nível em 19-10-29 e empossou-se, como intendente provisório, o Ten. Cel. da Brigada Militar José Gomes Ferreira. Novo pleito com chapa única: Intendente o Cel. Juvêncio Maximiliano Lemos (da Brigada Militar), republicano; e vice o advogado Dr. Carlos Brasil (libertador). E convencionou-se que os libertadores teriam cinco conselheiros municipais: Dr. Guilherme Barbosa, Dr. Mário Olivé Suñé, Nicolau Tolentino Marques, Alcebíades G. Gontan e Hildebrando Rodrigues. E os republicanos ficariam com quatro: Dr. Júlio Diogo, Guta Maciel, Viterbo Cruz e Clarimundo Cabral Dias. -*-*-*- O lucro líquido da Pepsi Cola (nível mundial) somente no 1º trimestre deste ano foi de dois bilhões de dólares! -*-*-*- A pavimentação da Av. João Teles (quase esquina da Gen. Neto), sentido sul-norte, ao lado da sinaleira, está prestes a ruir. E “afundará” consigo vários carros se não for urgentemente consertada! -*-*-*- Nas primeiras eleições estaduais que se realizaram no RGS após a queda da ditadura de Getúlio Vargas, para a Assembleia Legislativa (19-01-47), as bancadas escolhidas foram estas: Partido Comunista = 3; PRP (Integralismo) = 4, UDN = 4; Partido Libertador = 5; PSD = 16. PTB = 23. Mais votado, com 20.452 votos = José Diogo Brochado da Rocha (PTB). -*-*-*- Com pessoas vindas de Portugal, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, etc. a família Cachapuz efetuou reunião festiva de congraçamento (no último fim de semana) em Porto Alegre. Muitos dos forasteiros “espicharam” uma visita até Bagé.

Deixe sua opinião