No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Uma Secretaria Municipal da Mulher em Bagé
Publicado em 27/08/2019

Esquerda Carneiro

Esquerda Carneiro

Um movimento realizado em favor da emancipação da Coordenadoria da Mulher de Bagé já tem mais de cinco mil assinaturas e recebeu apoio de várias entidades e instituições, como a Polícia Civil e a Brigada Militar. O objetivo é sensibilizar a comunidade, prefeito e vereadores para a necessidade de uma Secretaria Municipal da Mulher, com independência orçamentária e de ação. À frente desse movimento está a professora e coordenadora do orgão Cândida Navarro.   
Fui procurado por Cândida e aceitei me engajar na campanha de emancipação, o Emancipa Mulher. Não tenho dúvidas do excelente trabalho realizado na coordenadoria e que é possível avançar. Aliás, é possível e necessário.
Acompanhei as atividades de perto quando estava à frente da Secretaria Municipal de Assistência Social, Habitação e Direitos do Idoso (Smasi), sei que é possível fazer mais e que há uma imensa barreira para transpor no que se refere a mudança de comportamento da sociedade em relação à mulher. O mundo mudou, a cultura mudou e precisamos saber disso, não apenas porque ouvimos dizer, mas porque se trata de uma realidade. 
Hoje, a Coordenadoria da Mulher consegue chegar a milhares de famílias, seja através de campanhas, de visitas, de palestras ou por intermédio de ocorrências policiais ou registros de violência de quem tem a coragem de denunciar indo até a coordenadoria. 
Em 30 meses, ou seja, desde que iniciou a gestão do prefeito Divaldo Lara, em 2017, foram realizadas 239 palestras, 348 visitas domiciliares, 318 encaminhamentos, 27 campanhas de alertas e esclarecimentos, 3 487 atendimentos, abrangendo mais de 50 mil pessoas, que de uma forma ou outra tomaram conhecimento do trabalho realizado, foram beneficiadas e descobriram que há um orgão preocupado com o bem estar da mulher. São pessoas que compreenderam a importância de uma mudança de comportamento.
Hoje, da forma como está, não é fácil implementar uma política com abrangência nos três eixos necessários de atuação: prevenção e enfrentamento à violência contra a mulher; capacitação para o trabalho e inclusão produtiva, e formação para a cidadania. Esses eixos de atuação garantem de forma eficaz a efetiva inclusão da mulher no projeto de desenvolvimento social e econômico de Bagé. 
Já comuniquei às mulheres engajadas nesse “Emancipa” o meu apoio, que pretendo seja o da maioria dos vereadores. Acompanho a luta, tive a oportunidade de ver em números a realidade enfrentada pela mulher. E os números são estarrecedores. Para se ter uma ideia disso tudo, em nosso Estado que tem uma cultura de forte cunho patriarcal e sexista, de janeiro a julho deste ano foram registrados 12 010 casos de violência com lesão corporal, 21 515 ameaças e 819 estupros. Vale ressaltar que esses são os casos registrados, há aqueles fora de registro. E não são poucos.
Portanto, meus amigos, que me dão a oportunidade de ter sua atenção nesta página, oferecer um serviço exclusivo de atenção à mulher, fazendo com que possa se tornar independente com segurança, ter o seu trabalho, a escola do filho, ter a chance de crescer na vida, de poder estudar, ampliar seus horizontes são funções e objetivos de uma Secretaria da Mulher em Bagé, sendo assim, sinto-me na obrigação de apoiar e lutar para que se concretize. 
Também não tenho dúvidas da sensibilidade do prefeito Divaldo. Sua campanha diária de economicidade, sua cautela com os gastos na prefeitura, deve levar em consideração que o Emancipa Mulher dará frutos que representam desenvolvimento e um novo perfil para a Rainha da Fronteira, o perfil de quem pensa à frente e se mostra preparado para dias melhores. 


Deixe sua opinião