No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Uma cidade preparada para o desenvolvimento
Publicado em 06/08/2019

Esquerda Carneiro

Esquerda Carneiro

Em 2016 a população de Bagé escolheu nossa proposta de gestão porque quis mudar, optou por outra forma de governo, declarou nas urnas querer uma cidade diferente, com uma nova atitude. 
Antes de assumir, em janeiro de 2017, o prefeito Divaldo Lara já havia afirmado que mudar o padrão estabelecido numa instituição como a Prefeitura não seria algo fácil. Pelo contrário. Difícil, mas necessário. 
Sabíamos o que queriamos, os bageenses nos disseram sim quando mostramos que era necessário mudar pensamentos, implementar uma nova forma de gestão - dinâmica, corajosa, ousada e de acordo com os anseios populares. Ouviríamos as reclamações de quem teria de sair da zona de conforto e a vibração de quem compreende que as ações de mudança chegam para tornar uma cidade maior, desenvolvida, agradável de trabalhar e viver. 
O primeiro ano serviu para corrigir caminhos, para repensar ações, intervir no cenário urbano, na política de tomada de decisão e compreender quem é quem no quadro funcional. 
Chegamos com um projeto de governo e com a coragem de implementá-lo. 
Chegamos para assentar as bases do desenvolvimento social e econômico de Bagé, começando com ações de infraestrutura em todas as áreas, reestruturando a rede de assistência social, equipamento e humanizando o sistema de atendimento à saúde básica, qualificando o ensino fundamental, incluindo a melhoria nas estruturas de educação; intervindo diretamente nas condições de saneamento e de mobilidade nos bairros da cidade, pavimentando e saneando como jamais foi feito por uma administração em tão pouco tempo. 
Nosso modelo de gestão é inovador. Temos um projeto para Bagé que vislumbra como resultado o desenvolvimento. 
Nenhum outro governo municipal esteve tão perto da população, ouvindo os moradores em seu próprio bairro, seja através do programa “Meu Bairro Melhor” quanto as visitas frequentes do prefeito Divaldo Lara às obras realizadas na periferia do município. A ordem é que os agentes públicos, secretários e assessores técnicos, ouçam a população, compreendam a cidade e suas necessidades. É esse nosso compromisso. É o que estamos fazendo. 
Ultrapassaremos os 50 quilômetros de asfalto anunciados para quatro anos. Atingiremos as metas de Saúde e de Educação, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica já é maior que em toda a sua história. 
O modelo que instituímos recupera hospitais, resgata projetos parados, incentiva efetivamente os empreendedores da cidade, no comércio, na indústria e nas iniciativas inovadoras, com feiras e festivais, casa do empreendedor e coworking. 
Bagé precisa readquirir confiança no seu potencial. Temos ciência disso. O trabalho realizado é para que a população tome as rédeas do  destino da cidade, porque o futuro melhor depende de cada um que vive nesta terra.   
Nesses dois anos e meio de gestão conseguimos avançar. Temos um governo participativo e trabalhador.  Tenho certeza que estamos no caminho correto para fazer a nova Bagé que anunciamos. Muito ainda é necessário, mas já mostramos como será feito e qual estrada é preciso percorrer. O que não podemos aceitar é o retrocesso. Porque se a infraestrutura serve para mostrar que estamos preparados para receber novos empreendimentos, o que já está acontecendo, também serve para dizer não ao retrocesso, não dá para voltar atrás, temos de continuar evoluindo, continuar indo em frente. Ainda temos trabalho para tornar a nova Bagé mais eficiente, mais empreendedora, de mais emprego, mais renda.   


Deixe sua opinião