No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Trabalhamos para reconquistar o valor dos servidores
Publicado em 02/04/2019

Esquerda Carneiro

Esquerda Carneiro

Neste artigo de hoje, quero, em primeiro lugar, dizer que está sendo muito bom vivenciar a experiência de poder por meio do jornal Folha do Sul fazer esta prestação de contas da minha vida pública, divulgar projetos para um futuro próximo e contar as coisas boas que estão acontecendo em Bagé. E posso garantir que são muitas. Nesta semana, por exemplo, temos uma boa notícia para o funcionalismo público municipal.
Hoje, terça-feira, às 18h, na prefeitura (avenida General Osório), junto ao prefeito Divaldo Lara, vamos apresentar o valor do reajuste do vale-alimentação dos servidores e “bater o martelo” para que o projeto tramite na Câmara de Vereadores o mais rápido possível.
Tenho dito e repito aqui: será o maior aumento percentual já apresentado na história de Bagé, 50% de aumento. Passando dos atuais R$ 12,10 para R$ 18,15.
Ainda na impossibilidade de conceder um reajuste significativo nos vencimentos, devido à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que limita os gastos do Orçamento Municipal com salários, buscamos alternativa no vale-alimentação para conceder um ganho maior ao servidor, o que não significa que a atual gestão deixou de lado a importância de conceder aumento de salário. Tanto que a boa notícia a seguir é que a Prefeitura de Bagé já conseguiu diminuir o índice de gastos com pessoal para 52,69%, sem que nenhum funcionário do quadro passasse a receber menos. Pelo contrário, em alguns casos, concedemos reajustes que há muito tempo fazia parte da pauta de lutas do PTB na Câmara municipal, como é o caso dos agentes de saúde, motoristas, entre outros.
A Lei de Responsabilidade Fiscal admite o teto de 54% na folha de pagamento de pessoal.
O que é preciso entender nessa verdadeira batalha que travamos para oferecer respeito e dignidade aos salários dos servidores é que o massacre de 16 anos foi avassalador. Anos após ano o piso municipal de salário (PMS) era achatado em comparação com o mínimo nacional. Desde 2001, isso vem acontecendo. Tempo em que os valores de um e outro eram os mesmos.
Na época, a desculpa para colocar os salários em dia era diminuir os salários. Passou uma década e meia sem que os prefeitos petistas levassem a sério a retomada dos valores do piso, não tentaram buscar uma solução efetiva para os trabalhadores ou, pelo menos, estacar a sangria da defasagem salarial. E a cada ano que passava as esperanças minguavam.
Essa política mudou. Para trazer o índice para o patamar de 52% o governo, por meio do próprio prefeito, da Procuradoria do Município e da Secretaria de Economia, Finanças e Recursos Humanos, fez uma imersão contábil na prefeitura, realizou o censo dos servidores e racionalizou a receita orçamentária. O resultado é que estamos economizando sem prejudicar os serviços, estamos buscando melhorar a receita e entregando a quem tem direito o pagamento dos trabalhos realizados para a comunidade. Só assim chegaremos ao objetivo de oferecer ganho real aos municipários. 
Convido a todos os servidores a comparecerem na prefeitura para ouvir, debater e apresentar propostas novas nos temas que estarão postos à mesa.
O aumento do vale-alimentação deverá ser concretizado com a presença dos funcionários municipais a esse encontro para conhecer o novo vale-alimentação proposto pelo nosso governo. 



Deixe sua opinião