No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Melhorar o vale-alimentação é lutar pela dignidade
Publicado em 19/03/2019

Esquerda Carneiro

Esquerda Carneiro

A Câmara de Vereadores está otimista com o ano de 2019, já estamos no terceiro mês. Acreditamos em tempos melhores, nas boas notícias, no desenvolvimento de nossa Bagé.
Sou um otimista por natureza. Tenho mostrado às pessoas o que o governo municipal, que apoio e faço parte, faz o que não se pensou e não se fez nos últimos anos.
Queremos o melhor para a população e é o que estamos fazendo, trabalhando com os melhores profissionais, dedicando tempo integral à formulação de projetos e planos de ação que possam tornar a cidade mais humana, com serviços eficientes e cheia de oportunidades.
Jamais estaria à frente de uma caminhada que não fosse para o bem das pessoas. Sei e nossa equipe é consciente daquilo que pode realizar para que o futuro nos cobre motivos por ter tornado Bagé evoluída e com uma qualidade de vida admirável.
Na semana passada, realizamos na Câmara sessões ordinárias e extraordinárias. Apresentamos projetos e propostas do maior interesse social e comunitário. Entre os projetos está aquele que visa tornar o Legislativo bageense mais eficiente, também aprovamos abertura de crédito para que a Prefeitura possa agilizar os trabalhos em benefício da comunidade. Enfim, o trabalho foi intenso, os debates mantiveram o propósito de trazer o essencial para a cidade e os resultados foram os melhores possíveis.
Gosto de lembrar que jamais em tão pouco tempo se pavimentou tanto o município; implementou-se tantos projetos e eventos na área urbana e foram inaugurados e aperfeiçoados tantos serviços na Saúde. Poderia falar nas realizações da Educação, Assistência Social, enfim, nos diversos setores do Poder Executivo motivado pelo Legislativo, mas, hoje, prefiro dedicar atenção a um assunto especial. 
Em meu pronunciamento na tribuna, sexta-feira, falei sobre aquele que tem me motivado a seguir lutando e que, quero garantir a certeza, conseguirei chegar ao intento proposto. Trata-se do vale-alimentação dos servidores da Prefeitura de Bagé. O município concede ao vale o valor de R$ 12,10. No tempo do outro governo, há mais de dois anos, fui à luta por um valor bem maior que esse. Aliás, mais que os R$ 15,60 que a atual gestão tem acenado. Consciente da necessidade dos funcionários e entendendo como de fundamental importância para melhorar a qualidade de vida de cada um dos servidores e suas famílias, já expus minha ideia de acabar com os vícios do passado, chega de elogiar o trabalhador quando se está na oposição e menosprezá-los quando se está no governo. Não é esta a política a que me propus. E, sei, o prefeito Divaldo Lara concorda e está ao meu lado.
Quero o maior aumento do vale-alimentação da história da Rainha da Fronteira. Quero e vou conseguir. Quase três mil funcionários serão beneficiados. Na verdade, 2,8 mil trabalhadores e suas famílias.
Não é justo que tanta gente continue pagando por uma injustiça cometida há 17 anos, quando começou o achatamento do piso municipal de salário. Ano a ano, desde 2001, sob o pretexto de pagamento em dia iniciou-se uma política avassaladora de diminuição do valor recebido pelos municipários. Pelo bem da verdade, o salário tem de ser pago em dia e sem achatamento. Ou, como é correto, em dia e justo, sem achatamentos.
Porém, como a máquina pública foi demolida ano a ano por administrações que não planejavam a recomposição dos servidores; governantes simplesmente inchavam a estrutura. Hoje, na impossibilidade de conceder um aumento substancial nos vencimentos, temos de conquistar a dignidade do vale-alimentação. Eis o meu embate.   
Espero ter o apoio de todos, porque com isto estaremos valorizando os funcionários da prefeitura e concedendo a eles um vale justo, digno e considerável. Nos tempos atuais em que se fecham hospitais, Upas deixam de abrir, salários são parcelados, Bagé mostra que é possível o caminho do desenvolvimento, da valorização dos servidores e da dignidade humana. Porque, como disse o prefeito Divaldo Lara, “os nossos dois primeiros anos foram de pagamentos de dívidas, agora estamos reestruturando a máquina administrativa com muito esforço e trabalho”.


Deixe sua opinião