Movimento pela abertura do comércio
Publicado em 28/03/2020

Edgar Muza

Cidade: Bagé / RS
Radialista, comentarista de política e de notícias de geral. Liderança reconhecida nas áreas de saúde e de Carnaval.
Edgar Muza

A democracia é algo maravilhoso. E isso se constata em crises, as mais diversas pela quais o mundo, em especial o Brasil, já passou. Mas a ‘velha política’ continua em primeiro lugar. Há discussões públicas sobre os efeitos maléficos que o coronavírus está deixando, não só na área da Saúde, principalmente na econômica. Eu tenho por base que ‘sempre em ano eleitoral acontece alguma coisa que é levada pelo lado político’. Hoje, a análise é que espero que seja o último sábado da vigência das decisões de governadores e prefeito, que ‘batem de frente’ com o governo federal. E aqui não estou concluindo por apoiar um ou outro lado. Apenas, continuo analisando fatos. Como sempre, a letra de um samba interpretado pela Alcione, vem à mente: “Água demais mata a planta”. Não é simples de se analisar a situação. Por um lado, temos ‘mais um vírus’, de tantos outros pelas quais já passamos, provocando interpretações diferentes. Se por um lado, alguns governadores e prefeitos tomaram uma decisão, embora forte, mas necessária para combater algo que se desenhava como ‘terrível’; por outro, a economia, que é o sustentáculo de um povo que necessita trabalhar, foi atingida por um ‘torpedo’ de consequências imprevisíveis. Agora, já se sabe a extensão do vírus que tem gerado debate entre especialistas da área. Os extremos nos aproximam do meio. Então, o bom censo vai acabar prevalecendo. Mas o que se observa é outro ‘vírus’, mais forte e danoso - a busca pelo poder - algo que venho acompanhando e mostrando aos leitores há muito tempo. Se levarmos em consideração o número de suspeitas de incidências do vírus e o confirmado, chegaremos à conclusão que, felizmente, até agora, não é tão preocupante, como as decisões governamentais têm mostrado. Vou repetir para alguém que costuma interpretar ‘a sua maneira’ aquilo que a imprensa publica e os colunistas comentam.

“Uma morte preocupa qualquer cidadão”

Agora, após análises de especialistas e a confirmação de que o vírus, como disse Osmar Terra, ‘tem momento ascendente e chegando ao topo começa a cair’, por isso precisamos pensar em outros setores atingidos. Nós todos dependemos do comércio, da produção primária e industrial, do transporte dos produtos, do combustível. Há um conceito que não critico, pois é algo que os técnicos enfatizam que o “idoso”, os hipertensos, os diabéticos, formam um ‘poderoso grupo de risco’. Então, que as restrições de ir e vir recaiam sobre eles. A maioria já está aposentada e dependem da arrecadação nacional, para receber seus salários no fim do mês. Então, todos dependem do comércio. O bolo nacional é baseado nas vendas, que dependem da produção e do transporte. Agora, se o comércio não funcionar, a produção para e a indústria também. Um depende do outro. E algo mais grave está nos rodeando: O desemprego. Ele já está em níveis muito alto, mas tendem a crescer. Sentido o medo da recessão alguns grupos estão se movimentando para realizar protesto ‘pedindo a abertura do comércio. “A convocação nas redes sociais anuncia para hoje, sábado 28 de março, pelo Brasil afora, principalmente nos estados que ‘proibiram o funcionamento do comércio”. Já estão levando pelo caminho que grupos que defendem Bolsonaro, é que estão se movimentando. Há alguns prefeitos e governadores que afirmaram: “Não seguiremos as determinações do governo federal”. É a política tomando conta do ‘campinho’. Governadores e prefeitos saindo a público, para defenderem suas teses.  Há convicção  que o coronavírus está atingindo mais gente. Saem às ruas conversando com a população, alguns levando bens de consumo, por exemplo, cesta básica, para amenizar a reação da população que está querendo trabalhar. As redes sociais entram em campo e segue discussão sobre ‘o bem e o mal’. Vamos à manchete e o corpo da matéria que colo “do CB (Correio Brasiliense). Leiam:

Movimento organiza carreata 
Grupos de várias partes do país se mobilizam pelas redes sociais em apoio ao discurso do presidente Jair Bolsonaro, que pede o abrandamento da quarentena e o retorno dos trabalhadores às atividades. O balneário de Camboriú, em Santa Catarina, saiu às ruas comemorando a decisão do governo Estadual que determinou a abertura do comércio já na próxima segunda dia 30 de março. O movimento está crescendo em diversos estados brasileiros. Empregados e empregadores se mobilizam para exigir a reabertura dos estabelecimentos comerciais, fechados por governadores e prefeitos, baseados na proteção da população contra o coronavírus. A convocação, pelas redes sociais, até ontem, sexta-feira, ganhava corpo. Vamos ver se na prática vai acontecer. Está marcado para hoje, sábado 28. Torço pra não haver tumulto.  


Deixe sua opinião