GENERAL HELENO E OS INSACIÁVEIS
Publicado em 21/02/2020

Edgar Muza

Cidade: Bagé / RS
Radialista, comentarista de política e de notícias de geral. Liderança reconhecida nas áreas de saúde e de Carnaval.
Edgar Muza

Mais motivos para que eu continue, cada vez mais, fanático pela democracia. É o único regime de governo que me agrada, mesmo porque os demais são ditatoriais. Ditadura seja no país que for, é comandada por grupos radicais, a antiga esquerda e direita. Tenho abordado o tema sobre os militares que atualmente ocupam cargo no governo Bolsonaro. “Eles têm demonstrado serem mais comedidos e politicamente certos”. Têm equilibrado, ou tentado equilibrar, alguns depoimentos considerados radicais. Mas tudo tem limite. A ‘velha política’, tão combatida pelo presidente na campanha eleitoral, há muito tempo está sendo praticada pelo governo. As negociações com o Congresso continuam abaixo de benesses. Liberação rápida de recursos, nomeações de parceiros políticos para cargos no governo. É a moeda de troca para aprovação de projetos do governo. Ou seja, nada diferente do que a ‘velha política’ sempre praticou. Pois bem, um dos ministros militares, General Heleno, resolveu abrir a boca. Dizem que em conversa com alguns membros do governo. O que chama a atenção é que sua declaração foi contra o vazamento de seu diálogo. Porém, e sempre tem um porém, segundo a matéria jornalística, o vídeo que vazou foi compartilhado nas redes sociais do presidente Bolsonaro. E aí a imprensa tomou conhecimento e deu ampla cobertura. O que ele afirma é algo que toda a torcida do Flamengo, Vasco, Corinthians, Palmeira, Fluminense e Santos, ou seja a maioria do povo brasileiro já sabem há muitos anos. Leia: “Alguns parlamentares são insaciáveis”. Ele considerou a divulgação de sua fala “invasão de privacidade”. Então ‘o crime’ foi cometido pelo próprio governo que tornou pública suas considerações. E foi fundo no tema: “Em mais um lamentável episódio de invasão de privacidade, hábito louvado no Brasil, vazou para a imprensa uma conversa que tive com o Dr. Paulo Guedes e o Gen. Ramos. Ressalto que a opinião é de minha inteira responsabilidade e não é fruto de qualquer conversa anterior, seja com o Sr. Presidente da República, com o Min. Paulo Guedes, com o Min. Ramos, ou com qualquer outro ministro. Se o Congresso quiser Parlamentarismo que mude a Constituição”. Verdades com algum exagero. Concordam ou não?

NÃO ME CHAMARAM PARA NADA – OSMAR TERRA
Quando foi substituído no Ministério pelo Ônix Lorenzonni, o Dr. Osmar Terra foi anunciado como possível líder na Câmara. Bolsonaro afirmou que ele iria cumprir uma missão considerada importante, de aproximação do Legislativo com o Executivo. Não foi o que afirmou o gaúcho:”Não me chamaram para nada”. Então, conclusão da coluna, vai exercer apenas sua função de deputado eleito que foi para tal missão. E aí entra a substituição do atual líder, considerado fiel correligionário, Vitor Hugo, da base governista. Aliás, ele foi um dos que mais auxiliou o filho do presidente, Eduardo Bolsonaro, durante o tempo que exerceu a liderança do PSL. Será que o presidente não sabia que o cargo estava ocupado? Ou simplesmente queria exonerar Terra? O tempo dirá. Fica a impressão que o grupo de governo está ‘batendo cabeça’. Após sua demissão no dia 13, o deputado Osmar Terra afirmou em nota que ‘estaria onde fosse mais importante para o governo e para o presidente Bolsonaro’. Tá!


DISCUSSÃO ENTRE LULA E UM PROCURADOR FEDERAL
Como se sabe, e isso foi amplamente divulgado na época, inclusive neste espaço, a compra de caças Suecos no governo petista foi a pauta das declarações para o Procurador da República.  Foi o maior preço do que a concorrência e, segundo nota que saiu na época, com menor tecnologia. Está agora respondendo na promotoria. Em determinado momento Lula se irritou com uma pergunta do relator Igor Miranda da Silva: “Estou cansado de mentiras. A desgraça de quem conta a primeira mentira é passar o resto da vida mentindo. Eu desafio qualquer um a provar que recebi cinco centavos de algum empresário. Parem de insinuar coisas a meu respeito. Nasci em um lugar onde as pessoas eram pobres, mas tinham dignidade". O procurador contestou : “Sou negro e nasci na periferia, apenas estou cumprindo meu papel no julgamento". Sobre a medida provisória que determinou a compra dos jatos, Lula negou ter recebido empresários para tratar do assunto e que MPs tramitam no Congresso e não no governo. Alto nível heim!
 


Deixe sua opinião