PRIMEIRO DOMINGO DA QUARESMA
Publicado em 29/02/2020

Dom Frei Cleonir Paulo Dalbosco (bispo de Bagé)

E-mail: cleonir@ascap.org.br
Dom Frei Cleonir Paulo Dalbosco (bispo de Bagé)

A Quaresma é um tempo favorável para voltar ao Senhor e estar reconciliado com Ele. um tempo forte no qual a Igreja nos convida a viver mais intensamente o empenho na conversão, uma ocasião de graça que é oferecida pela misericórdia de Deus por meio da Palavra e dos sacramentos, uma etapa de nossa vida espiritual para crescer na semelhança com Aquele que nos criou e redimiu.

Trata-se, porém, também de um tempo de provação, no qual é necessário sustentar um combate interior mais árduo contra o espírito do mal, com a finalidade de seguir Cristo e a liberdade que Ele nos oferece; evitando deixar-nos desviar por um caminho que pode parecer mais largo e mais cômodo, mas que, na realidade, esconde as insídias da tentação. Pode-se dizer que exatamente esse é o tema do Primeiro Domingo da Quaresma: como combater o tentador?
No Evangelho de hoje, o tentador mesmo se apresenta a Jesus, que ficou no deserto jejuando e rezando por quarenta dias e quarenta noites, tentando-o em três pontos fundamentais: a fome, a ambição e a cobiça da posse. O enganador apresenta sempre o mal como se fosse o maior bem, emana uma luz deslumbrante, mas falsa, os seus são brilhos sinistros, bem diferentes da luminosidade da luz divina e divinizante.
O Senhor nos recomenda, então, estar atentos e vigilantes; escutar a sua Palavra para aprender a discernir o verdadeiro do falso, a luz das trevas, o bom do malvado, escolhendo aquilo que não somente é bom, mas o que é melhor.
O tempo da Quaresma é, portanto, um tempo de provação para crescermos na fé, para nos darmos conta de que Deus cuida de nós e que podemos ser felizes e serenos, tendo uma vida digna somente se nos colocarmos em relação com Ele com humildade, com confiança e em obediência, crendo que tudo aquilo que Ele dispõe para nós é para a nossa salvação.
Coloquemo-nos, então, no seguimento de Cristo, que acolheu profundamente a sua missão de Servo sofredor, rejeitando propor-se como Messias triunfante. Pela sua obediência à vontade do Pai, brotou sobre todos nós a superabundância da graça: se nos abrirmos para acolher esse rio inesgotável, poderemos experimentar, a cada dia, junto à tentação, a consolação e a alegria do perdão e da salvação.
Sentimos que temos necessidade dele, que nada podemos sem Ele, mas com Ele somos mais que vencedores. Com Ele podemos superar as tentações e viver na luz da verdade, no fervor da caridade, na alegria da humildade.
Seguindo Jesus poderemos nos tornar sempre mais capazes de perdoar e de amar para tender à plenitude da caridade e atrair sobre essa humanidade todo o bem que o Senhor quer dar a cada homem e a cada mulher, para que o seu Reino de amor se cumpra e todos sejam um. Que o tempo da quaresma nos proporcione mais compaixão com aqueles que estão passando por necessidades. Paz e Bem!


Deixe sua opinião